Chefe da Casa Civil diz que PT reproduziu metodologias antigas e errou ao não fazer reforma política

Chefe da Casa Civil diz que PT reproduziu metodologias antigas e errou ao não fazer reforma política

Ao avaliar os efeitos da Operação Lava-Jato sobre o PT, o chefe da Casa Civil da presidente Dilma Rousseff, Jaques Wagner, disse que seu partido "errou" ao não fazer a reforma política ainda no governo Lula e "acabar reproduzindo metodologias" antigas da política brasileira ao usar ferramentas como o financiamento privado para campanhas eleitorais. Wagner disse que o PT encarnou o ditado: "Quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza". As declarações foram dadas em entrevista ao jornal A Folha de S.Paulo.

Ex-governador da Bahia, Wagner avaliou que não deve haver crescimento no país em 2016, mas que haverá um "ambiente mais salutar", e destacou que agora é preciso "modular" o ajuste com propostas que apontem para o desenvolvimento.

— O governo vai tentar resgatar a economia na questão da inflação, da geração de emprego, do crescimento maior ou de um decréscimo menor. O problema da economia não é ter um momento ou dois ruins, é ter horizonte — disse.

Wagner falou ainda do ex-ministro Joaquim Levy:

— Uma porção de gente que acha que foi apagando o incêndio, e isso era uma obsessão, sem dizer para onde iríamos. Não sei se foi exagerado, mas o momento é de modular.

Para o ministro, o governo conseguirá "enterrar" o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff ainda na Câmara de Deputados.

 

 

 

 

Zero Hora