Cerveró diz que campanha de Jaques Wagner recebeu dinheiro de propina

Cerveró diz que campanha de Jaques Wagner recebeu dinheiro de propina

O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró afirmou à Procuradoria-Geral da República que a campanha ao governo da Bahia de 2006 do atual ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, recebeu dinheiro de propina de uma obra da estatal em Salvador.

A assessoria da Casa Civil informou ao G1 que ainda não irá se manifestar sobre o assunto.

A afirmação faz parte de um documento em que Cerveró elencou fatos que pretendia revelar antes de fechar o acordo de delação. Ele confirmou posteriormente as informações nos depoimentos de delação premiada prestados.

O conteúdo foi apreendido em novembro de 2015 no gabinete do senador Delcídio do Amaral (PT), durante a deflagração da Operação Politeia, e divulgados nesta sexta (8) pelo jornal Valor Econômico. A RPC também teve acesso aos documentos.

Sob o título “Jaques Wagner x Gabrielli”, Cerveró diz que “na campanha para o governo da Bahia, em 2006, houve um grande aporte de recursos para o candidato do PT, Jaques Wagner, dirigida por Gabrielli”.

Segundo o delator, o então presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli decidiu realocar a parte operacional da estatal para Salvador “sem haver nenhuma justificativa, pois havia espaço para a referida área no Rio de Janeiro”. Cerveró diz que foi construído um prédio na Bahia, onde atualmente funciona o setor financeiro da estatal.

O ex-diretor diz que era de conhecimento entre os diretores da Petrobras de que, na construção do prédio, houve o pagamento de propina para a campanha de Jaques Wagner, que acabou eleito em segundo turno. Cerveró disse que não sabe qual empreiteira construiu o prédio, mas que acredita que foi a própria construtora que repassou a doação para a campanha.

Além disso, o ex-diretor afirmou também que a campanha de Jaques Wagner recebeu recursos de operações de trading controladas por Gabrielli e por José Eduardo Dutra, que também presidiu a estatal e morreu em outubro de 2015.

A reportagem não conseguiu contato com o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli até a atualização desta reportagem.

 

 

 

G1