Celular usado por Lula não estava em nome de seu segurança, mas de um laranja, segundo Lava Jato

Celular usado por Lula não estava em nome de seu segurança, mas de um laranja, segundo Lava Jato

O celular era do amigo O ex-presidente Lula de fato não tinha celular próprio. Seu segurança, Valmir Moraes da Silva, que o acompanha há mais de dez anos, é quem lhe cedia o aparelho toda vez que precisava contatar alguém. O celular, contudo, também não era oficialmente de seu auxiliar. Estava registrado no nome de um laranja. É por isso, segundo a Lava Jato, que o ex-presidente falava tão livremente ao telefone, mesmo sabendo que todos os seus passos estavam sendo monitorados.

 

Atentos A força-tarefa notou que, do número usado pelo segurança de Lula, partiam muitas ligações para alvos já grampeados pela Lava Jato. Foi questão de tempo até que se descobrisse que a linha servia ao petista.

Colecionador? O ex-presidente não tinha uma linha de celular em seu nome, mas a Lava Jato apreendeu seis aparelhos apenas em seu apartamento, em São Bernardo.

Inovou A aparição de Dilma nos grampos surpreendeu até investigadores mais experientes: “Presidente da República não liga para tratar de assunto delicado. Manda emissário”, disse um deles após ouvir conversas entre a petista e Lula.

Estrategista Aos olhos da Lava Jato, Sergio Moro foi meticuloso: se esperasse até amanhã, após Lula ter tomado posse, não poderia tornar público os grampos telefônicos e as evidências reunidas até agora.

Não se afobe, não E, depois de um dia apocalíptico, um general da Lava Jato sentencia: “E isso é só a cereja do Dry Martini”.

Alguém aí? No pior momento da crise, não havia ministro da Justiça. Somente às 19h30, com a publicação da edição extra do Diário Oficial, Eugênio Aragão foi nomeado para o cargo.

Estátua Assim que os áudios se tornaram públicos, o comando da Polícia Federal soltou uma ordem à corporação: policial nenhum deveria se manifestar. A avaliação é que a PF ficará sob forte ataque a partir de agora.

Ela não vê Em conversa com Vagner Freitas, da CUT, Lula mostrou seu esforço para tentar promover uma guinada à esquerda na política econômica. “O mercado que ela está pensando em agradar não quer a reforma da Previdência. Quer o fim dela.”

Atordoados O enfrentamento a Moro, postura adotada por petistas após a divulgação dos grampos, deixou parte do governo preocupada. “Ele é o herói. Vamos assumir o papel de vilões?”, questiona um auxiliar.

Atônitos Assessores de Dilma avistavam a multidão que cercava o Palácio do Planalto e não sabiam como reagir. Perguntavam-se como fariam a posse de Lula.

Conflito à vista Mais tarde, a cúpula do governo começou a repetir que “iria pra cima”. Militantes foram convocados para a ir à Praça dos Três Poderes na manhã seguinte. Oposicionistas também são esperados.

Corrão Peemedebistas tentavam acelerar o esforço de colher assinaturas para antecipar a reunião do diretório nacional. Querem romper com o governo o quanto antes. Os governistas da sigla ainda pediam calma, mas se diziam “desnorteados”.

Segura essa A PGR vai analisar os grampos para decidir se investiga Dilma por obstrução de Justiça. Mas a decisão só será tomada quando Rodrigo Janot retornar ao Brasil, na semana que vem.

 

 

 


 

 Folha de São Paulo