Cearense é resgatado no Monte Everest após terremoto

Cearense é resgatado no Monte Everest após terremoto

O montanhista cearense Rosier Alexandre foi resgatado na madrugada desta segunda-feira (27) no monte Everest, após um terremoto de 7,8 graus atingir o Nepal. O abalo sísmico já é considerado o mais violento dos últimos 80 anos no país e provocou vários tremores secundários e deslizamentos. Até esta segunda, o país já contabilizava mais de 3,8 mil mortes.

Rosier estava a mil metros de altitude quando o terremoto aconteceu. Um helicóptero foi enviado para retirá-lo da montanha. A médica da equipe do montanhista morreu no tremor.

O filho de Rosier, Davi Saravia, também estava no Nepal esperando o fim da escalada do pai. Davi foi resgatado no sábado (25) do campo base da montanha.

Segundo informações da mulher do montanhista, Danúbia Pereira, os dois agora devem seguir para um vilarejo próximo, onde vão ficar pelos próximos dias. Danúbia não soube informar se a expedição vai continuar.

Um ano após avalanche

Rosier embarcou em 30 de março deste ano para retornar ao Monte Everest cerca de um ano depois de presenciar uma avalanche que matou 16 pessoas em abril de 2014. Na época, a missão de escalada foi interrompida.

“Em nenhum segundo eu pensei em desistir. Naquele momento, diante daquela tragédia que nos fez desistir da expedição, eu já marquei uma data em que eu voltaria no ano seguinte”, disse Rosier, antes de viajar.

A chegada ao topo do Monte Everest é a sétima e última etapa do projeto Sete Cumes, em que o montanhista escala as montanhas mais altas do mundo.

Rosier já chegou ao topo de seis: Aconcágua (6.962 m), Kilimanjaro (5.881 m), El Brus (5.642 m), Vinson (4.892 m), McKinley (6.198 m) e Carstensz (4.884 m).

Escalada ainda nos planos
Rosier Alexandre e o filho aguardam a avaliação do Ministério do Turismo local para saber se poderão ou não dar continuidade à escalada até o topo da montanha mais alta da Terra.

"Eles aguardam o sobrevoo de um helicóptero que vai observar o local e avaliar se os sherpas [pessoas que vivem nas montanhas e atual como guias] têm condições de reconstruir a trilha para dar continuidade à subida", diz Danúbia Saraiva, que recebeu informações da empresa contratada por um grupo de alpinistas.

O sobrevoo estava programado para ocorrer na noite deste sábado (manhã de domingo, 26, no Nepal), mas foi suspenso devido a uma forte nevasca. Segundo informações de autoridades à família de Rosier, a nevasca também impedia a comunicação com os alpinistas por telefone via satélite.

Tragédia
Neste domingo (26), um forte terremoto atingiu a Índia e Nepal balançando edifícios em Nova Delhi e provocando uma avalanche no Himalaia.

Ainda de acordo com Danúbia, o filho de Rosier foi levado até um vilarejo próximo ao Everest, região que está energia e sinal de telefonia. “Um acampamento foi destruído com a avalanche, conseguiram levar os feridos até o vilarejo Gorak Shep, onde eles recebem atendimento, mas segundo a empresa responsável eles estão sem telefone, sem energia e sem contato”, diz.

Na manhã de sábado (25), Danúbia recebeu uma ligação de Rosier por telefone via satélite. "Ele falou muito rapidamente, disse que está bem, mas não sabe como está a via de escalada", relata a mulher.

A poucos dias de embarcar para o Nepal, o montanhista mostrou ao G1 o que levaria na mochila: mais de 200 itens de equipamentos individuais, entre roupas, botas, piquetas e bastões, estavam espalhados prontos para serem colocados nas duas malas que devem seguir com Rosier até o campo base dos montanhistas.

 
 
 

G1