Cássio integra grupo de senadores que discutem reação a Janot por pedidos de prisão

Cássio integra grupo de senadores que discutem reação a Janot por pedidos de prisão

Cássio Cunha Lima (PSDB) integra grupo de senadores que discutem uma reação do Senado ao pedido de prisão do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador Romero Jucá (PMDB-PR) e do ex-presidente da República, José Sarney (PMDB-AP). Segundo eles, a decisão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, abre precedentes para uma crise entre as instituições do país.

Os senadores se reuniram na última quinta-feira no gabinete de Tasso Jereissati (PSDB-CE) para discutir o assunto e chegaram à conclusão de que, para evitar uma crise institucional, é necessário que seja encaminhado ao Congresso uma explicação para os pedidos  de prisão. A avaliação é que os trechos que vieram a público das gravações feitas por Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, não caracterizam “provas concretas”, principalmente no que diz respeito a Renan.

Os senadores endossaram o discurso do presidente do Senado de que não há crime quando se expõe uma opinião e que é preciso ter cautela e equilíbrio para que não se coloque em risco o diálogo entre os poderes. “A partir do momento que o procurador-geral pede ao STF a prisão do presidente do Senado, entra em jogo a instituição”, afirmou a senadora Ana Amélia (PP-RS), que esteve no encontro.

Também participaram da conversa, além de Cássio, os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Aloysio nunes Ferreira (PSDB-SP), Ronaldo Caiado (GO) e Cristovam Buarque (PPS-DF). Na República não cabem segredos, nem informações parciais. A sociedade, a imprensa e os senadores têm direito ao acesso à informação completa”, disse Cássio.

Senadores da base e da oposição enviaram a Janot requerimento para que seja revelado todo o conteúdo das gravações realizadas pelo ex-presidente da Transpetro.

 

 

 

Com Folha