Cássio evita falar sobre números de pesquisa, mas pede empenho ainda maior da militância

Cássio evita falar sobre números de pesquisa, mas pede empenho ainda maior da militância

Antes de conceder entrevista, às 6h30 deste sábado, à Rádio Campina Grande FM, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), candidato a governador pela Coligação A Vontade do Povo, fez declarações a respeito da pesquisa Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), divulgada na edição de hoje do Jornal da Paraíba. Segundo a consulta, a primeira após o registro de candidaturas, Cássio conta com 48% das intenções de votos, bem à frente do segundo colocado na corrida sucessória, o governador Ricardo Coutinho (PSB), que pontuou 25%.

- Naturalmente feliz com os números da pesquisa, mas recebo-os com humildade e uma disposição maior de trabalho e intensificação da campanha - destacou o senador tucano, ponderando sobre a consulta realizada pelo instituto entre os dias 7 e 9 de agosto.

Ainda segundo o candidato do PSDB, sua orientação para toda a coordenação de campanha, lideranças aliadas e  militância é de que não se implante um clima de "já ganhou" ou "salto alto" nessa batalha que tem ainda 51 dias pela frente, até o dia da eleição.

Para Cássio, "ainda há muito a conquistar e um longo caminho a percorrer", não havendo espaço para acomodação presunções descabidas. E faz um alerta final a todos os que integram sua campanha  ou estão dispostos a votar nele: "Vamos ter sempre a atenção redobrada, fé em Deus e confiança na soberana vontade do povo expressa nas urnas".

Outros resultados

De acordo com a pesquisa, o senador Vital do Rêgo Filho, candidato do PMDB, ocupa a terceira posição, com apenas 3%. O Major Fábio, do Pros, obteve 1%. Os candidatos Antonio Radical (PSTU) e Tárcio Teixeira (PSOL) não pontuaram. Brancos e nulos somam 8% e não sabem ou não responderam totalizam 14%. Pelos números apontados na pesquisa, a eleição na Paraíba seria decidida logo no primeiro turno.

A pesquisa do Ipespe foi registrada na Justiça Eleitoral, sob o protocolo PB-00016/2014. Foram ouvidos 1.500 entrevistados no Estado. A margem de erro estimada é de 2,6 pontos percentuais para mais ou para menos, e intervalo de confiança de 95,5%.

 

Assessoria