Caririzeiros tomam querosene contra a chikungunya

Caririzeiros tomam querosene contra a chikungunya

Foram confirmadas pelo Hospital de Trauma de Campina Grande, três mortes causadas por chikungunya.

Duas das vítimas são de cidades do Cariri paraibano, região acometida por grande infestação da doença.

Uma das vítimas era um menino de cinco anos que residia na cidade de São Sebastião do Umbuzeiro, a outra é uma mulher de 51, que morava em Monteiro.

A chikungunya se caracteriza por demonstrar sintomas como febre alta, dores nos músculos e nas articulações e que podem se estender por seis meses após a cura do estágio mais grave.

Para tentar amenizar os sintomas, caririzeiros estão apelando para crendices populares e tomando gotas de querosene para aliviar os sintomas do vírus. O caso está sendo registrado nas cidades de Serra Branca e Monteiro.

Muitos relatam que colocam gotas do produto dentro de um copo com água e tomam como se fosse remédio.

O problema é que, por ser um produto altamente tóxico e corrosivo, os usuários do método têm colocado a própria vida em risco.

O médico Marcelo Jackson disse que a iniciativa não é inteligente e pode ser considerado um envenenamento.

– Não existe efeito terapêutico benéfico para o uso de querosene no tratamento da chikungunya. É preciso que quando os sintomas aparecerem, o paciente procure o serviço médico – orientou.

 

 

 

Rádio Campina FM