Campanha de vacinação contra pólio quer vacinar 12 milhões de crianças

Campanha de vacinação contra pólio quer vacinar 12 milhões de crianças

O Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira (11) a campanha de vacinação contra a poliomielite, que começa neste sábado (15) e vai até o dia 31. Até o fim de agosto, a meta é imunizar 12 milhões de crianças com idade entre 6 meses e 5 anos incompletos. 

O número corresponde a 95% da população brasileira nessa faixa etária, que é de 12,7 milhões. No total, o ministério deve distribuir 16 milhões de doses da vacina, aplicada com gotinhas na boca das crianças.

“Nós não podemos pensar na erradicação total da poliomielite no planeta. Vamos atingir isso em algum momento, mas por enquanto, não podemos permitir a reintrodução da doença no país”, declarou o ministro Arthur Chioro.

A poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é uma doença provocada por vírus que afeta o sistema nervoso e pode levar à paralisia irreversível dos membros.

Atualmente, o Brasil está livre da doença, mas a vacinação é fundamental para manter o vírus fora do país, segundo o Ministério da Saúde. O último caso no país foi registrado há 26 anos.

Entre 2013 e 2014, nove países registraram casos da doença: Afeganistão, Nigéria, Paquistão, Somália, Guiné Equatorial, Iraque, Camarões, Síria e Etiópia.

As crianças que forem se vacinar contra pólio poderão receber outras vacinas para atualizar suas cadernetas de vacinação, entre elas a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba e é destinada a crianças com idade entre 1 e 5 anos incompletos.

Postos de vacinação fixos e móveis em todo o país estarão disponíveis para aplicar as doses. A vacina em gotinhas não vale para as duas primeiras doses, aplicadas aos 2 e 4 meses de vida. Nestes casos, é usada a Vacina Inativada da Poliomielite (VIP), que é injetável. Ela não integra o foco da campanha, mas pode ser aplicada durante esse período. 

A campanha de conscientização começou a ser divulgada no domingo (9), com o lema “você é o protetor do seu filho”. O clássico personagem Zé Gotinha estrela o material de divulgação, direcionado aos pais e às crianças na faixa etária da vacina.

 

Sem atraso
Crianças que, mesmo na faixa etária da campanha, nunca foram vacinadas também não devem receber as gotinhas antes da dose injetável. Para que essa informação seja verificada, o governo pede que os pais levem as cadernetas de vacinação ao posto de saúde.

 

“Quando a gente recebe uma criança com calendário não iniciado, a gente inicia com o cronograma adotado normalmente. Ou seja, ela vai receber a primeira vacina injetável naquele dia, a segunda dali a dois meses, e aí vai cumprindo calendário”, diz Chioro.

O ministro afirma que, nestes casos, há grandes chances de que outras vacinas também estejam atrasadas e precisem entrar no cronograma. “É uma situação extremamente rara. Isso mudou muito no país. Mas existe, e o procedimento é esse”.

O Ministério da Saúde também anunciou que aproveitará a ida das crianças aos postos de saúde para verificar a assiduidade de outras vacinas. Os profissionais serão orientados a avaliar a caderneta infantil e a alertar os pais para imunizações vencidas ou em atraso.

As doses atrasadas poderão ser aplicadas no mesmo dia ou agendadas para uma data mais adequada, segundo o ministério. Após o término da campanha, a verificação das cadernetas e a aplicação das vacinas em débito também poderá ser realizada, fora da campanha.

 

 

 

 

G1