Buba confirma volta e chateado, Raoni deixa Assembleia sem falar com a imprensa

Buba confirma volta e chateado, Raoni deixa Assembleia sem falar com a imprensa

O deputado Buba Germano (PSB) licenciado da Assembleia Legislativa desde o mês de julho, Confirmou que vai retornar aos trabalhos na Casa no próximo dia 28 destacando que o relator do Orçamento de 2017 deve mesmo ser o próximo presidente da AL, Gervásio Filho (PSB) e desconversou a respeito ir para alguma secretaria a fim de manter Raoni Mendes (DEM) na Casa de Epitácio Pessoa.

Buba disse que não poderia responder sobre uma coisa que não foi tratada e garantiu que não discutiu a possibilidade de ocupar uma secretaria, nem com o governador Ricardo Coutinho (PSB), nem com ninguém. “Todos sabem que cumpri uma licença e estou retornando porque fiz minha parte. Não houve convite (para ocupar um cargo no governo estadual)”, afirmou.

O deputado esteve reunido com Raoni que ocupa a suplência. O democrata saiu da reunião sem conceder entrevista à imprensa. Já Buba destacou que não é ele quem pode fazer algo para o parlamentar continuar na AL, mas sim os líderes. “É o governo quem tem prerrogativa de tirar e colocar secretário. Aqui é uma articulação interna, não tenho nenhuma prerrogativa para me responsabilizar por especulações”, disse, lembrando que já abriu mãos do mandato para contemplar Raoni uma vez.

“Retorno e sou membro da Comissão de Orçamento”, afirmou Buba destacando que vai dar sua contribuição independente de ser o relator. Para ele, o cargo deve mesmo ficar com o presidente eleito da Assembleia para o biênio 2017-2019, Gervásio Filho. “Está em boas mãos, vai cuidar do orçamento que ele próprio vai executar”, disse.

O deputado afirmou que a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) tem a clareza do que é impedido nas emendas em locais onde possam ser executadas. Cada deputado deverá ter uma reserva de contingência de 1% que equivale a R$ 1,4 milhão. Ele lembrou ainda que as sugestões para emendas são as áreas de Saúde e Educação, para elas terem mais chances de ser liberadas. 

 

 


Marília Domingues / Adelton Alves