Brasil supera ausência de Neymar, bate Venezuela e vai pegar o Paraguai

Brasil supera ausência de Neymar, bate Venezuela e vai pegar o Paraguai

Neymar, suspenso, não entrou em campo, mas o Brasil venceu mesmo assim. Sem seu principal astro, suspenso da Copa América, a seleção venceu a Venezuela por 2 a 1 sem grandes dificuldades, fechou a primeira fase na liderança do Grupo C e agora vai pegar o Paraguai. Os gols foram marcados por Thiago Silva, Firmino e Arango. 

O resultado e a atuação afastaram, provisoriamente, o fantasma da ausência de Neymar, principal figura e capitão do time que não empolgou nas duas primeiras rodadas. Robinho e Philippe Coutinho entraram no time, Miranda assumiu a faixa de capitão e o time só foi ameaçado no finzinho, quando Dunga fez testes e colocou David Luiz de volante e Marquinhos de lateral. Se passou longe de dar show neste domingo, o Brasil ao menos conseguiu vencer sem sustos e com amplo domínio do jogo.

Agora, terá a missão de exibir-se da mesma forma diante dos rivais mais fortes no mata-mata. O primeiro compromisso será no sábado que vem, contra o mesmo Paraguai que eliminou o Brasil na Copa América 2011 nos pênaltis. Se vencer, o time de Dunga vai às semifinais para enfrentar Argentina ou Colômbia.

Salvo uma grande reviravolta, terá de fazer tudo isso sem Neymar. O camisa 10 foi suspenso por quatro jogos após a confusão armada no duelo contra a Colômbia e teve de ver a vitória sobre a Venezuela de um camarote. Na próxima terça, a Conmebol deve decidir se reduz, ou não, a pena imposta ao craque do Barcelona.

Fases do jogo:
O início da partida favoreceu o Brasil. Uma Venezuela nem tão recuada e uma seleção com ímpeto fizeram uma combinação que resultou em jogo rápido e boas jogadas. Demorou 8 minutos para que Thiago Silva, em uma bela finalização após escanteio cobrado por Robinho, abrisse o placar.

E como tem sido comum, a vantagem atrapalhou o jogo. A Venezuela se fechou e o Brasil passou a trabalhar a bola com calma. Robinho, novidade de Dunga ao lado de Philippe Coutinho, era um dos melhores em campo ligando a linha de passe brasileira de um lado ao outro. Só que fazia isso no seu ritmo.

A lentidão na movimentação e a pouca verticalidade deixaram o jogo chato e com poucas alternativas. O Brasil só voltou a ameaçar em um chute do próprio Robinho e em bolas paradas alçadas na área. Esse panorama mudou quando Willian apareceu para uma jogada individual, aos 6 minutos do segundo tempo.

Depois de uma troca de passes, o meia do Chelsea apareceu na esquerda, ganhou do marcador na corrida e serviu na medida para que Firmino ampliasse. A vantagem ficou tão confortável que Dunga se deu ao luxo de testar David Luiz como volante na metade final do segundo tempo e Marquinhos na lateral nos minutos finais.

A mudança só serviu para o Brasil relaxar demais. Em um ímpeto ofensivo derradeiro, a Venezuela chegou a descontar com Fedor, no rebote de uma linda cobrança de falta de Arango, muito bem defendida por Jefferson. Só que a reação parou por aí. 

Melhor: Thiago Silva. Não se abalou com a confirmação de Miranda como capitão e jogou como nos melhores momentos. Firma na defesa, não deu nenhuma chance ao contra-ataque venezuelano e foi fundamental ao subir ao ataque para marcar.

Pior: Postura da Venezuela. Tudo bem que o nível técnico do time não ajuda, mas a seleção "vinotinto" precisava atacar para sonhar com classificação e recuou muito depois de sofrer 1 a 0, praticamente abdicando da jogo. Só reagiu no finzinho, quando o Brasil já fazia testes pensando na próxima fase. 

Chave do jogo: O gol cedo de Thiago Silva aliviou a barra do Brasil, mas fez o nível da partida cair após a Venezuela entrar de vez na retranca. Ciente de que avançaria na primeira colocação mesmo com um empate, a seleção também não se esforçou muito para atacar e criar mais.

Destaques:
Neymar de olho:
O capitão da seleção, suspenso, fez questão de acompanhar os colegas no pré-jogo, foi ao vestiário participar da preleção e assistiu a tudo de um camarote. Foi presenteado com o gol de Thiago Silva, que fez o número dez com as mãos e apontou para o amigo ao abrir o placar.

Apoio: Pela primeira vez na Copa América os brasileiros conseguiram dividir as arquibancadas. Depois de ser minoria nos duelos contra Peru e Colômbia, a torcida verde-amarela ocupou pelo menos metade do estádio contra a Venezuela. 

Pendurados: Firmino, Fernandinho e Filipe Luís entraram em campo pressionados, já que ficariam fora do primeiro mata-mata se levassem o segundo amarelo. Firmino passou bem perto de levar. Ao marcar o segundo gol do Brasil, ele faz menção de tirar a camisa e muda de ideia em cima da hora, evitando a punição desnecessária. 

FICHA TÉCNICA
BRASIL x VENEZUELA

Data e hora: 21/06/2014, às 18h30 (horário de Brasília)
Local: Estádio Monumental de Santiago (Chile)
Árbitro: Enrique Cáceres (Paraguai)
Auxiliares: Rodney Aquino e Carlos Cáceres (ambos do Paraguai)
Público: 33.264 pessoas
Cartões: Thiago Silva (Brasil) e Vargas e Seijas (Venezuela)
Gols: Thiago Silva, aos 8min do 1º tempo; Firmino, aos 6min do 2º tempo

BRASIL:
Jefferson; Daniel Alves, Thiago Silva, Miranda e Filipe Luís; Fernandinho, Elias, Willian e Philippe Coutinho (Diego Tardelli); Robinho (Marquinhos) e Roberto Firmino (David Luiz)
Técnico: Dunga

VENEZUELA:
Alain Baroja; Roberto Rosales, Vizcarrondo, Andrés Túñez e Gabriel Cíchero; Tomás Rincón, Seijas (Martinez), Ronald Vargas (Cesar Gonzales), Juan Arango e Alejandro Guerra (Fedor); Salomón Rondón.
Técnico: Noel Sanvicente

 

 

 


UOL