Brasil registra mais de 161 mil casos prováveis do vírus da zika

Brasil registra mais de 161 mil casos prováveis do vírus da zika

O Brasil registrou 161.241 casos prováveis de infecção pelo vírus da zika, segundo boletim divulgado pelo Ministério da Saúde. A taxa de incidência é de 78,9 casos por 100 mil habitantes. Os dados foram contabilizados até a semana epidemiológica 21, somados até o dia 28 de maio deste ano.

Desse total de notificações, 64.311 casos foram confirmados. A pasta informou a ocorrência de quatro óbitos devido à transmissão do vírus - três em 2015 e uma neste ano - nas cidades de São Luís (MA), Benevides (PA), Serrinha (RN) e Rio de Janeiro (RJ). 

A região Centro-oeste ainda tem a maior incidência do vírus, com 159,8 casos por 100 mil habitantes. Entre os estados com o maior número de registros está o Mato Grosso, com 602,1 casos por 100 mil habitantes, a Bahia, com 298,7 casos por 100 mil habitantes e o Rio de Janeiro, com 278,1 casos por 100 mil habitantes.

 

O número de mortes em recém-nascidos, natimortos, abortamentos ou fetos, resultantes de microcefalia possivelmente associada ao vírus da zika são acompanhados pelo Boletim Epidemiológico sobre o Monitoramento dos Casos de Microcefalia.

 

Casos de dengue
Desde o início deste ano até o dia 28 de maio, o Brasil recebeu 1.294.583 registros prováveis de dengue. Destes, 390.534 foras descartados, outros 455 foram confirmados como casos graves, e 5.164 com sinais de alarme.

 

Foram confirmados 288 mortes pela doença - 15 a mais que no último boletim que contabilizava os dados até dia 21 de maio. O número representa uma redução de 60% em relação ao mesmo período de 2015, segundo o Ministério da Saúde. Mais 566 óbitos ainda estão sendo investigados.
 

A região Sudeste ainda é a que registrou o maior número de casos prováveis, com 772.842 notificações e 59,7% dos registros em todo o Brasil. Depois, a segunda região com maior número de infecções pelo vírus é o Nordeste, com 264.438 casos e 20,4% das notificações do país, seguida da região Centro-oeste, com 139.952 e 10,8% dos registros.

 

 

 

 

 

G1