Brasil perde 22,9 milhões de linhas de celular em 2015, diz Anatel

Brasil perde 22,9 milhões de linhas de celular em 2015, diz Anatel

O Brasil fechou o ano de 2015 com o fim de 22,9 milhões de linhas de celular, segundo informações divulgadas pela Agência Nacional das Telecomunicações (Anatel) nesta sexta-feira (29).

O G1 já havia registrado em dezembro do ano passado a queda recorde do setor, mas somente até outubro. Com os dados para todo o ano disponíveis, é possível agora ver com maior precisão o recuo histórico, nunca antes registrado.

Para as operadoras, os causadores da derrapada são a crise econômica e o “efeito WhatsApp”, que faz clientes preferirem chats para se comunicar em vez de terem mais de uma conta em diferentes operadoras.

‘Um RJ a menos’
Para se ter ideia do tombo, é como se o país tivesse perdido em 12 meses a totalidade dos acessos móveis do Rio de Janeiro, que é o terceiro maior estado brasileiro em número de linhas de celular, com 23 milhões. O estado foi um dos sete que mais perderam acessos, com 1,7 milhão a menos.

A onda de “mortes” de linhas atingiu todas as unidades federativas. Desde São Paulo, que possui a maior concentração e perdeu 3,5 milhões, até Roraima, a menor, e registrou o fim de 33 mil linhas.

Todas as quatro grandes operadoras do país tiveram redução em suas bases de clientes. A mais impactada foi a TIM, que perdeu 9,4 milhões de linhas, mas se manteve como a segunda maior. Na sequência, aparece a líder Vivo, com 6,6 milhões, a Claro, terceira maior, com 5,1 milhões, e a Oi, com 2,8 milhões.

O Brasil é o quinto maior mercado de telefonia móvel do mundo e viu o número de linhas de celular crescer até maio do ano passado, quando chegou a 284 milhões. Desde então, só caiu: a redução até dezembro chega a 26,3 milhões. Até 2015, nunca o Brasil havia fechado o ano com menos acessos móveis do que havia começado.

 

 

 

 

G1