Brasil investigará outras consequências do zika em crianças

Brasil investigará outras consequências do zika em crianças

O Brasil acompanhará as crianças que não nasceram com microcefalia, mas tiveram suas mães infectadas pelo vírus zika. A ação foi anunciada pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, nesta segunda-feira (23), na abertura 69ª Assembleia Mundial da Saúde, em Genebra, na Suíça. Serão monitorados os casos notificados no sistema de vigilância, mas descartados para microcefalia. O objetivo é verificar se existem outras consequências da infecção pelo vírus.

"Oferecemos atenção integral às crianças com microcefalia e vamos acompanhar as crianças cujas mães apresentaram infecção pelo zika durante a gestação, inclusive as que não apresentam microcefalia, para detectar o surgimento de complicações neurológicas, oculares ou auditivas", garantiu Barros.

O próximo passo é definir quais instituições vão oferecer o acompanhamento para identificar se o vírus zika pode estar relacionado a outras consequências no desenvolvimento das crianças. Inicialmente, o Brasil deve contar com a participação da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS).

"Reconhecemos o papel desempenhado pela Opas e pela OMS nas ações conjuntas com o Brasil na resposta ao vírus zika, emergência de saúde pública que já está presente em 60 países, expondo 1,3 bilhão de pessoas à doença, dos quais 15% são brasileiros. Nos próximos dias, teremos oportunidades de debater e seguir compartilhando as informações sobre a resposta a essa emergência", ponderou o ministro.

Além de apontar as ações implementadas no País contra o Aedes aegypti, como o fortalecimento da vigilância em saúde e o estímulo ao desenvolvimento de novas tecnologias para controle de vetores, o ministro tratou de tranquilizar as demais nações no que diz respeito às medidas de segurança na área da saúde a serem executadas nas Olimpíadas.

Em sua fala, Barros mostrou um gráfico com a baixa incidência da transmissão de dengue e outras doenças transmitidas pelo Aedes no período da competição no Rio de Janeiro (RJ). "Tomamos medidas específicas de controle vetorial que me permite reafirmar que os Jogos Olímpicos transcorrerão de maneira segura para a família olímpica e todos os visitantes", finalizou.

No evento técnico "Dengue: reafirmando o diálogo", o Brasil, um dos apoiadores do encontro, apresentou os resultados da mobilização contra o Aedes aegypti e as novas tecnologias de combate ao mosquito.  

Alimentação saudável

Durante o discurso, o ministro também abordou outras medidas que o Brasil está adotando para atingir as metas da Agenda 2030 para Desenvolvimento Sustentável, pactuada em substituição aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Uma das ações defendidas é o incentivo à alimentação e ao estilo de vida saudável.

"Precisamos de ações inovadoras nesse campo que aumentem a efetividade da prevenção e promoção da saúde. Neste sentido, acabo de firmar um compromisso para que todos os alimentos oferecidos nos eventos realizados por instituições públicas federais sejam saudáveis", afirmou Barros.

O ministro também ressaltou os avanços do Brasil em relação às doenças transmissíveis como HIV, DSTs e hepatites virais. Outro ponto destacado foi o combate ao tabagismo, com a regulamentação da Lei Antifumo, que proíbe o consumo de cigarros em ambientes fechados e restringe a propaganda dos produtos, bem como o empenho no aperfeiçoamento e implementação de políticas para enfrentar problemas relacionados aos acidentes de trânsito e a preparação do sistema de saúde para o processo de envelhecimento da população.

Assembleia mundial

O evento, realizado anualmente pela Organização Mundial da Saúde (OMS), reúne 194 países-membros e tem como objetivo estabelecer metas conjuntas, diretrizes e acordos nas mais variadas áreas da saúde. Além do evento principal, a assembleia contará com reuniões bilaterais e multilaterais, bem como eventos paralelos.

 

 

 

 

Ministério da Saúde