Brasil gasta por aluno um terço do valor de países desenvolvidos

Brasil gasta por aluno um terço do valor de países desenvolvidos

Um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE) divulgado nesta terça-feira (9) mostra que o governo brasileiro gastou em educação 19% do total do seu gasto público em 2011, ano em que os dados foram compilados para este estudo, ficando acima da média dos países desenvolvidos (13%) e atingindo 6,1% do Produto Interno Bruto (PIB). No entanto, o valor gasto com dinheiro público por aluno foi de US$ 2.985, o que representa um terço da média dos 34 países integrantes OCDE, que é de US$ 8.952. É o segundo valor mais baixo entre todos os países da organização.

A OCDE é uma organização internacional composta por países que procura fornecer uma plataforma para comparar políticas económicas, solucionar problemas comuns e coordenar políticas domésticas e internacionais. Além dos 34 países membros, o relatório considera dados de outros dez países parceiros, entre eles o Brasil.

Segundo o relatório, o Brasil só tem um gasto por aluno maior do que a Indonésia, e fica abaixo de países como Turquia, México, Hungria, Eslováquia, Chile, Israel, Portugal e Coreia do Sul, entre os que também estão abaixo da média da OCDE. O país com maior investimento por aluno é os Estados Unidos, acima de US$ 15 mil, seguido por Áustria, Holanda, e Bélgica.

O relatório "Olhar sobre a educação" aponta ainda que as taxas de matrícula no Brasil estão crescendo fortemente nos últimos anos. Entre 2005 e 2012, a taxa de matrícula de crianças de 4 anos cresceu de 37% para 61% e a das de 5 anos de 63% para 83%. Ainda assim está abaixo da média dos países desenvolvidos, que é de 84% para 4 anos, e 94% para 5 anos.

Entre os jovens no entanto, as taxas de matrícula no Brasil ainda estão baixas, de acordo com o relatório. Em 2012, o estudo aponta 78% dos jovens de 15 a 19 anos na escola, e 22% entre 20 e 29 anos.

Ainda de acordo com o relatório, as instituições públicas gastam 4 vezes mais por aluno do ensino superior do que do ensino fundamental. Esta é a maior diferença entre todos os países que têm dados disponíveis.

A OCDE aponta ainda que o percentual de jovens e adultos que não estudam nem trabalha se manteve constante de 2005 a 2012, na faixa de 20% independentemente do nível educação. A média da OCDE é de 15%.

O Brasil é um dos poucos países em que a taxa de desemprego é maior entre aqueles que tem menor escolarização. A taxa de desemprego para adultos com educação abaixo do nível médio, em 2012, foi de 4,1%, enquanto para aqueles com nível médio ela foi de 5,1%. Adultos com diploma de nível superior, no entanto, continuam a apresentar a mais baixa taxa de desemprego, de 2,9%.

O estudo aponta ainda que os professores do Brasil são em média mais jovens que na maioria dos países da OCDE. Segundo o levantamento, 17% dos professores dos anos finais do ensino fundamental (6º a 9º ano) e do ensino médio tinham menos de 30 anos. A média da OCDE é de 10%. Além disso, a média no Brasil é de 18 alunos por professor, e na OCDE é de 13 estudantes por docente.

 

G1