Brasil derrota a Rússia e vai à semifinal do Mundial de vôlei masculino

Brasil derrota a Rússia e vai à semifinal do Mundial de vôlei masculino

A derrota para a Polônia, a primeira no Mundial de vôlei na Polônia, deu um susto. Nesta quarta-feira, o duelo com a Rússia poderia valer a sobrevivência do Brasil na competição. Valeu mais. Com Wallace e Murilo de volta, a seleção brasileira mais uma vez superou os arquirrivais, ganhou por 3 sets a 0 (25/22, 25/20 e 25/21) e foi a primeira equipe a garantir uma vaga nas semifinais. A luta pelo tetra segue viva.

Na semifinal, o Brasil vai encarar França, Irã ou Alemanha, que disputam a outra chave desta terceira fase!

- Nós encaramos como um jogo de quartas de final e estamos na semifinal: objetivo já carimbado. Não tinha volta, então não tinha motivo para eu ficar fora. Nós demonstramos mais uma vez a força do grupo, a força do nosso time e da nossa camisa. Nós estamos defendendo não só a nossa história, mas a honra de todo o nosso país - afirmou Murilo em entrevista ao SporTV.

O jogo

 
A dor que incomodava até ontem parecia ter dado uma trégua. Wallace voava em quadra. Era decisivo para abrir a vantagem de 16/13 para a seleção. Murilo, com uma proteção na coxa machucada, também voltava ao time. Contribuía com os passes e liderava a equipe. Do outro lado, o oposto Pavlov, com uma lesão na panturrilha ia para o sacrifício, mas não conseguia saltar com antes. Mas Muserskiy fazia os russos com seu saque forte (19/18). O empate não demoraria a chegar (20/20). O Brasil respondia imediatamente e fugia no marcador. Murilo subia na ponta e deixava o time a um ponto de levar a primeira parcial. Andrey Voronkov pedia tempo. Na volta, a Rússia evitava o fim do set, mas lamentava, logo em seguida, o erro no serviço de Apalikov: 25/22.


A passagem de Wallace no saque arrancava sorrisos dos companheiros. Dois aces. Mostrava que a sorte estava ao seu lado quando a bola batia na fita e caía caprichosamente do outro lado, para desespero dos adversários (6/4). Os russos iam voltando aos eixos graças a seu gigante. Muserskiy subia mais que o bloqueio brasileiro e conseguia a virada (13/12). Lucarelli tratava de colocar ordem na casa (16/15). Lucão se apresentava e garantia três pontos seguidos para a seleção (21/18).  Muserskiy continuava pecando no serviço e dava o tom do que era seu time naquele momento da partida. E Vissotto mostrava qual era o do Brasil: 25/20.

 

 

G1