Barbosa vê 'interesses contrariados' na crise com aliados em Cajazeiras; 'paz vai voltar a reinar'

Barbosa vê 'interesses contrariados' na crise com aliados em Cajazeiras; 'paz vai voltar a reinar'

O deputado estadual, Ricardo Barbosa (PSB), comentou em entrevista ao Portal paraiba.com.br nesta terça-feira (3), que acredita que a paz vai voltar a reinar entre o governador e o aliado em Cajazeiras, ex-prefeito Carlos Antônio.

Barbosa que voltou de viagem onde representou a Assembleia Legislativa e o legislativo brasileiro em um fórum Mundial do Parlamento Europeu em Milão, Bruxelas e Paris, nesta segunda-feira (3), afirmou que ainda não tomou conhecimento do assunto, porém admite que há um ruído e interesses contrariados. “Há uma reação das lideranças da nossa agremiação e dos simpatizantes do conjunto que tem domínio político em Cajazeiras com as decisões do governador do Estado, não posso me aproximar porque ouvi apenas rumores na Assembleia, mas nada que não possa ser superado”, afirmou.

A polêmica começou com o fim de um contrato com uma empresa responsável pela hemodiálise no Hospital Regional de Cajazeiras. Aliados da prefeita Denise Oliveira (PSB), incluindo o ex-prefeito Carlos Antônio (DEM), levaram a insatisfação a público através das redes sociais e provocou a reação do governador Ricardo Coutinho.

A empresa que pertence ao vice-prefeito Júnior Araújo (PTB), não teve o contrato renovado e os partidários apontaram que este foi um ato de “perseguição política” do governador [Júnior apoiou Cássio Cunha Lima (PSDB) nas eleições de 2014].

Carlos Antonio, Denise e até a secretária Chefe da Casa Civil, Léa Silva (DEM), vereadora licenciada de Cajazeiras, se solidarizaram com Júnior nas redes sociais. O governador pediu retratação da sua auxiliar que não acatou o pedido e Ricardo interpretou o ato como ‘um pedido de demissão’. Léa é da cota de indicação de Carlos Antônio, que é ex-secretário do primeiro governo de Ricardo.

No entanto, Ricardo Barbosa acredita e espera que a paz volte a reinar. Ele afirmou que este assunto, não diz respeito à coletividade que é o tema que permeia, que prima o modelo de gestão do governador. “São interesses contrariados, quem tem seus interesses contrariados repense isso, não imagino que este fato possa ter desdobramentos com conseqüências”, afirmou.

O deputado licenciado Jeová Campos (PSB) entrou na história para impedir uma crise e tentar pedir a manutenção da empresa de Cajazeiras à frente dos serviços, porém não conseguiu êxito nem a audiência pretendida. Ricardo Barbosa afirmou que Jeová é um dos melhores atores para cumprir este papel porque além de deputado estadual, eloqüente e habilitado à discussões dessas natureza, ele é da região, amigo do governo e da parte interessada que registra o descontentamento. “Creio que a ação de Jeová possa ser um elemento facilitador, uma solução”, disse.

Carlos Antonio e aliados não aceitam a condução feita pelo governador no processo e discordam da forma e tratamento dispensado às ponderações feitas. Já o governador Ricardo Coutinho, avisou que não admite intromissões nas suas decisões e descarta retaliação política alegando que a parceria foi suspensa devido ao fim do contrato. 


Marília Domingues / Marcone Ferreira