Bancos suspendem crédito consignado a servidores federais

Bancos suspendem crédito consignado a servidores federais

Os bancos decidiram suspender as operações de crédito consignado para servidores públicos federais, após a empresa de software Consist ter virado alvo da Operação Lava Jato. Segundo a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), as instituições financeiras estão revendo sua participação no convênio de gestão firmado com as autoridades públicas.

A CBN teve acesso a comunicados reservados distribuídos por três bancos - Itaú/BMG, Bradesco e Bom Sucesso - para avisar os gerentes sobre o bloqueio das operações. A medida afeta todas as operações de crédito - tanto para quem deseja realizar um novo empréstimo, quanto quem precisa refinanciar ou fazer a portabilidade, e prejudica funcionários da ativa, aposentados e pensionistas.

A Consist foi contratada para gerir o software que autoriza os pagamentos consignados, após acordo de cooperação técnica foi firmado entre o Planejamento e Sindicato Nacional das Entidades Abertas de Previdência Complementar (SINAPP) e Associação Brasileira de Bancos (ABBC). 

Procuradas pelo G1, a ABBC e a Consist não comentaram.

De acordo com as investigações do Ministério Público Federal e da Polícia Federal, empresas do Grupo Consist Software prestaram o serviço. Ainda segundo as autoridades, a Consist teria repassado valores obtidos com o contrato a operadores da Lava Jato.

Após as denuncias, o Planejamento decidiu rescindir em 30 dias do acordo de cooperação técnica e informou que toda a operação de gestão passará a ser feita pelo Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) e o Dataprev.

A suspensão das operações de consignado pelos bancos é por tempo indeterminado.

"Os bancos acompanham o caso do ponto de vista técnico, com o objetivo de colaborar com o Ministério do Planejamento na migração para um novo sistema de processamento das folhas de pagamento, garantindo a continuidade do serviço para os servidores. O objetivo é desenvolver um processo de migração de plataforma totalmente transparente para o servidor usuário do serviço", informou a Febraban, em nota.

A Febraban não informou a relação de todos os bancos participantes do convênio e que suspenderam as operações de crédito consignado.

 

 

 

G1