Bafômetro pode render processo a presidente de Câmara

Bafômetro pode render processo a presidente de Câmara

A compra de um Bafômetro na Câmara de Vereadores de Piancó pode render processo contra presidente da Casa, Pedro Aureliano (PMDB). O fato revoltou alguns vereadores, principalmente da bancada de oposição, que prometem levar o caso ao Tribunal de Contas do Estado e ao Ministério Público. Eles também pensam em abrir um processo interno por quebra de decoro parlamentar contra o presidente.

A compra é inusitada. O equipamento teria sido comprado para evitar que vereadores bêbados participem das sessões legislativas.

Conforme os vereadores, o equipamento adquirido com recursos públicos pelo presidente é inútil, pois nenhum vereador vai se submeter a teste de bafômetro, porque além de humilhante e constrangedor fere o princípio constitucional de que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”.

bafometro

“Não existe lei que obrigue vereador a ser submetido a bafômetro, ou seja, o presidente usou o dinheiro público para comprar algo sem nenhuma utilidade num município com tantas carências, o que caracteriza crime de responsabilidade”, comentou Neguinho Marinheiro.

Conforme ainda a oposição, a compra do bafômetro para a Câmara denigriu a imagem do legislativo perante a opinião pública e os vereadores estão sendo ridicularizados.

“Essa situação criada pelo presidente contra a imagem e moralidade da própria Câmara representa uma quebra de decoro parlamentar e vamos fazer uma representação contra o presidente, que pode ser cassado”, argumentou Neguinho.

 

 

 

MaisPB