Após pedido do PT, comissão do Senado adia decisão sobre CPI da Petrobras

Após pedido do PT, comissão do Senado adia decisão sobre CPI da Petrobras

 A reunião da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado foi interrompida na tarde desta terça-feira (8) sem a conclusão da votação do relatório que define se a CPI da Petrobras irá investigar apenas a estatal ou mais assuntos. O encerramento da sessão ocorreu após pedido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) para que se iniciassem as votações do dia no plenário da Casa.

A votação será retomada nesta quarta-feira (9), às 9h. Com isso, o governo consegue mais tempo para articular estratégias e evita a instauração da CPI.

"Essa decisão ficou para amanhã. Eu ainda quero fazer argumentações sobre o que defendi em plenário. Nós vamos debater. Ninguém tem medo de CPI aqui. Um dia ou dois dias, isso não há grande significado. O que precisamos é ter uma base concreta sobre esta questão regimental", disse Gleisi ao deixar a reunião da CCJ.

Para o senador Aécio Neves (PSDB-MG), pré-candidato à Presidência , esse adiamento gera um "desgaste" para o governo. "A cada dia que se adia essa investigação, mais a população percebe que o governo não quer investigar absolutamente nada."

Antes da interrupção, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), ex-líder do governo no Senado, defendeu a instalação de uma CPI que investigue não só a Petrobras, mas outras denúncias, como os cartéis de trens e portos em Pernambuco. Ele é relator do parecer da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado que decidirá se serão apuradas denúncias apenas da estatal ou de outros fatos suspeitos.

"Não há nada que impeça de se criar uma só CPI para investigar fatos múltiplos", afirmou Jucá ao ler seu relatório.

O parecer de Jucá será votado na CCJ e, se aprovado, o relatório será encaminhado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para que a CPI seja instalada.

"Nós queremos toda a investigação sobre a Petrobras e dos outros pontos que a base do governo apresentou. Eu acho que quanto mais investigação, melhor", afirmou Jucá após o encerramento da reunião da comissão.

Governistas e oposição apresentaram questões de ordem sobre a instalação da CPI da Petrobras questionando o conteúdo de requerimentos um do outro. A oposição argumenta que o pedido de CPI da base aliada é muito amplo e inclui temas relativos aos Estados. Os petistas, por sua vez, alegam que o requerimento da CPI dos oposicionistas inclui fatos que não têm conexão entre si, embora envolvam a Petrobras. Apesar disso, querem que a comissão investigue também outros temas.

Na semana passada, as duas questões de ordem acabaram rejeitadas pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que acabou transferindo à CCJ a incumbência de se pronunciar. A comissão designou ao senador Jucá que elaborasse um parecer sobre a questão.

Uol