Após cassado, Cunha reage, divulga carta e afirma que 'Renan também pode ser alvo de tempestade'

Após cassado, Cunha reage, divulga carta e afirma que 'Renan também pode ser alvo de tempestade'

O deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ironizou na tarde desta terça-feira (13) declaração dada mais cedo pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e disse em nota esperar que os "ventos" que chegam em Renan "não se transformem em tempestade".

Mais cedo, o presidente do Senado afirmou, ao ser questionado por jornalistas sobre acassação do mandato de Cunha pelo plenário da Câmara, que "quem planta vento colhe tempestade". Questionado sobre eventuais ameaças de Cunha, Renan respondeu: "Afasta esse cálice de mim. Eu não quero de forma nenhuma falar sobre isso, mas quem planta vento colhe tempestade".

"Com todo desejo de sucesso ao presidente do Senado no comando da Casa, e acreditando na sua inocência, espero que os ventos que nele chegam através de mais de uma dezena de delatores e inquéritos no STF, incluindo [o ex-presidente da Transpetro] Sérgio Machado, não se transformem em tempestade. E que ele consiga manter o cálice afastado dele", disse Cunha.

Na nota, o ex-presidente da Câmara também criticou o que chamou de "diferença de tratamento" dada a ele e a Renan nas ações que correm no Supremo Tribunal Federal (STF) em decorrência das investigações da Operação Lava Jato.

Segundo Cunha, os mesmos delatores que o acusaram de receber propina em contratos da Petrobras, acusaram Renan de também ter recebido valores ilícitos do esquema de corrupção.

"Entretanto, a ação penal que deveria ser indivisível, segundo o Código Penal, foi aberta apenas contra mim", critica o peemedebista.

 

Nota
Veja a íntegra da nota divulgada pelo deputado cassado Eduardo Cunha:

 

Com relação às declarações do Presidente do SenadoRenan Calheiros, temos a falar:

1 - Ao contrário do dito pelo Presidente do Senado, durante o meu período à frente do Presidência da Câmara, não houve matérias de caráter relevante oriunda do Senado que deixássemos de apreciar em plenário. Ao contrário do Senado, que deixou de apreciar vários temas importantes aprovados na Câmara, dentre outros, projeto de terceirização, redução da maioridade penal, correção do FGTS dos trabalhadores e PEC da reforma política, no qual apenas foi destacada a janela partidária deixando-se de apreciar temas como fim da reeleição e financiamento de campanha. Esperamos que o Senado aprecie essas matérias.

2 - Com relação à diferença de tratamento entre mim e o Presidente do Senado, destacado no meu discurso na Câmara ontem, ressalto que na ação penal número 982 do Supremo Tribunal Federal, decorrente da denúncia aceita baseada apenas na palavra de delatores sobre sondas da Petrobras, os mesmos delatores, nas suas delações, acusam como beneficiários das supostas vantagens indevidas montando a US$ 6 milhões os senadores Renan Calheiros, Jader Barbalho, Delcídio do Amaral e Silas Rondeau. Entretanto, a ação penal que deveria ser indivisível, segundo o Código Penal, foi aberta apenas contra mim.

3 - No mais, com todo desejo de sucesso ao Presidente do Senado no comando da Casa, e acreditando na sua inocência, espero que os ventos que nele chegam através de mais de uma dezena de delatores e inquéritos no STF, incluindo Sérgio Machado, não se transformem em tempestade. E que ele consiga manter o cálice afastado dele.

 

 

Eduardo Cunha
Brasília, 13 de setembro de 2016

 

G1