Apoio a ações de Moro cai de 90% para 60%, mostra pesquisa

Apoio a ações de Moro cai de 90% para 60%, mostra pesquisa
Pesquisa apresentada à Fiesp (Federação da Indústrias do Estado de São Paulo) por uma empresa que monitora redes sociais revela ranhuras à imagem de "herói" do juiz federal Sérgio Moro, que comanda as investigações da Operação Lava Jato.
 
Desgaste do magistrado de Curitiba se dá após episódios controversos, como a condução coercitiva de Lula para depoimento à Polícia Federal; a suspensão provisória pelo Supremo Tribunal Federal (STF) da investigação contra o ex-presidente e o pedido de "escusas" do juiz.
 
De acordo com a coluna Radar On-line, da revista Veja, o apoio às ações de Moro despencou de 90% para menos de 60%.
 
Fora das redes sociais, novas crítica surgiram. Em entrevista publicada pelo UOL neste sábado (9), o ex-procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou que Moro “cometeu um erro grave” ao liberar os grampos. Segundo ele, a condução da Lava Jato tem sido “extremamente elogiável”, mas “sujeita a erros e equívocos”.
 
“Não consigo vislumbrar utilidade ou finalidade processual naquela divulgação. Qual a utilidade e qual a finalidade de se fazer aquela divulgação para aquela investigação em curso? Não vejo. E se não houve utilidade, não houve finalidade, a meu ver, essa divulgação não poderia ter acontecido e acho insuficiente o argumento de que a população teria o direito de saber quem são os seus governantes. Claro que a população tem o direito de saber quem são e o que fazem os seus governantes, mas o Judiciário não tem essa função de proporcionar acesso a conversações protegidas pelo sigilo”.
 
Gurgel assumiu a PGR em 2005, logo após o início da ação penal 470, que tratava do escândalo do mensalão. Passados 11 anos, ele não se diz surpreso com o fato personagens daquele momento terem sido implicados também na Lava Jato, e revelou que “sempre causou perplexidade o fato de o presidente (Lula) não ter conhecimento daquilo”.
 
 
 
 
 
 
 
 
IG