Anselmo Castilho chama Ricardo Coutinho de desonesto e desleal

Anselmo Castilho chama Ricardo Coutinho  de desonesto e desleal

Mais um capítulo da tensa aliança entre Partido Socialista Brasileiro (PSB) e Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições deste ano na Paraíba. Desta vez, o ex-presidente da Empresa Municipal de Limpeza Urbana (Emlur), Anselmo Castilho, um dos mais influentes nomes dos quadros petistas no Estado, classificou o governador Ricardo Coutinho (PSB), que pleiteia à reeleição, como “desonesto e desleal”.

As declarações do petista foram dadas na manhã desta segunda-feira (15), no Programa Tony Show, da Líder FM, de Santa Rita, após o governador deferir várias críticas ao governo da presidente Dilma Rousseff, também do PT, durante a passagem da presidenciável Marina Silva (PSB) pela Paraíba, no último final de semana.

Indignado com a situação, Anselmo Castilho lembrou que, ao confirmar a aliança com o PSB da Paraíba, o governador Ricardo Coutinho assinou um termo de neutralidade nas eleições deste ano para a Presidência de República. No entanto, o socialista não só descumpriu o acordo, como criticou o governo de Dilma. Para Anselmo, o posicionamento do governador caracteriza uma traição política.

- O governador Ricardo Coutinho foi incisivo, desonesto e desleal ao citar isso, pois o governo dele só existe por que o de Dilma existe, uma vez que os recursos destinados para a Paraíba vêm do Governo Federal - disse Castilho em entrevista.

Ao saber das críticas de Ricardo Coutinho ao Governo do PT, Anselmo Castilho postou em uma rede social que “a partir de hoje, começarei a escolher um candidato a governador da Paraíba. Inadmissível ter um aliado adversário”. Sobre a declaração, Castilho afirmou que é de caráter pessoal, mas que vai tentar influenciar outros colegas de partido a seguirem o mesmo posicionamento.

Ainda nesta segunda-feira deve ocorrer uma reunião em Brasília (DF), em que o ministro secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, vai exigir que Ricardo Coutinho cumpra o que foi assinado no contrato, pois caso isso não ocorra, o atual governador vai sofrer medidas duras aqui na Paraíba.

 

Assessoria