Anderson Silva: a desconstrução de um mito do MMA mundial

Anderson Silva: a desconstrução de um mito do MMA mundial

Anderson Silva precisou de apenas dois minutos e 57 segundos para mostrar em Las Vegas, em 2006, que é um mito, e de poucos dias para desconstruir os 18 anos da própria imagem. Ao derrotar o campeão dos pesos médios do Ultimate Fighting Championship (UFC) Rich Franklin com uma sequência memorável de joelhadas e chutes, o brasileiro deu início a uma ascensão que o levou a ser considerado o maior lutador de todos os tempos pelo presidente do UFC, Dana White.

Mas nove anos depois, a carreira de Spider ruiu e ele deve se aposentar com a mancha indelével do doping, que coloca sua trajetória em dúvida e faz o mundo se questionar: foi só agora, ou a prática era recorrente?

Não é exagero afirmar que Anderson ocupa um lugar de destaque no esporte ao lado de ídolos como Ayrton Senna e Gustavo Kuerten. Graças a ele, milhares de jovens passaram a acompanhar o MMA e procurar academias para aprender jiu-jitsu e muay thai. Spider, com carisma, irreverência e ousadia, tornou-se sinônimo de sucesso e determinação, principalmente entre os jovens.

Estrela maior do UFC, caminhava para encerrar a carreira em alta após derrotar, em 31 de janeiro, o americano Nick Diaz na edição 183 do torneio, na mesma Las Vegas que o viu despontar. Porém, o que seria um retorno triunfal transforma-se, a cada divulgação dos testes, em frustração para seus fãs.

Silva ficou 13 meses parado por fraturar a perna no embate anterior, contra Chris Weidman, e ao que tudo indica precisou de drogas para retomar a forma física. Em dois exames feitos pela Comissão Atlética de Nevada, foram detectadas as substâncias drostanolona e androsterona, aplicadas para aumento e fortalecimento dos músculos.

Ele foi suspenso temporariamente e aguarda julgamento. Em vez de ser lembrado pelo talento, Spider - assim como aconteceu com o ciclista Lance Armstrong - pode entrar para a história pela porta dos fundos, a despeito das 34 vitórias em 40 lutas e a maior sequência de defesas de título consecutivas - 10.

- Os anabolizantes são bengalas psicológicas e físicas, que aumentam a confiança, vontade e estrutura corporal. O caso de Anderson Silva é chocante porque nunca se imaginou que ele, sempre radicalmente contra isso, fosse pego nessa situação - avalia o coordenador do Laboratório de Atividades Físicas da PUCRS, André Luiz Estrela.

Mesmo que o MMA esteja no centro da crítica esportiva hoje de forma negativa - Jon Jones (cocaína) e Nick Diaz (maconha) também caíram -, as repercussões são boas, na opinião de Estrela. O UFC já anunciou que investirá milhões de dólares no aperfeiçoamento da prevenção e fará testes surpresa. Além disso, aumentará a punição para quem descumprir as regras, que hoje não passa de dois anos. Spider, é bom que se diga, nunca teve problemas com doping até 2015.

- O controle era light. Nas artes marciais, sempre foi fácil o acesso aos anabolizantes. Só que o UFC chegou a um nível de profissionalismo que não aceita mais essa situação. Considero uma evolução. Não se pode permitir que um moleque se drogue porque seu ídolo faz - diz Estrela.

 

 

 

ZH Esportes