Água do açude Coremas-Mãe Dágua continua imprópria para consumo e banho

Água do açude Coremas-Mãe Dágua continua imprópria para consumo e banho

O maior reservatório da Paraíba, o açude Coremas-Mãe Dágua, no Sertão do Estado, está agonizando. A água armazenada no manancial é imprópria para o consumo humano, e a população teme problemas de saúde. Pelo menos essa é a constatação de um laudo elaborado pela Unidade Regional de Controle da Qualidade da Água, da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

 

As amostras coletadas apresentaram coliformes totais, que indica a contaminação com material fecal. Segundo relatório da Funasa, o uso inadequado da água pode acarretar em problemas de saúde a população como o surgimento de câncer. A água que chega nas torneiras não é tratada, e a cada dia a qualidade da água fica pior.

A constatação foi da existência de coliformes totais (grupos de bactérias indicadoras de contaminação com material fecal de animais) e presença de outros organismos.

O abastecimento de água na cidade Coremas não é atendido pela Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa). A responsabilidade do tratamento e da distribuição da água é da Prefeitura da cidade.

Diante do risco, os moradores de Coremas estão mobilizando no sentido de pedir a instalação de uma estação de tratamento.

O açude está com menos de 16.8% de sua capacidade, o que representa pouco mais de 99 milhões de agua acumulada. E a cada dia, com o prolongamento da seca, a a situação fica mais crítica.

Maior manancial do Estado da Paraíba e o terceiro maior do Nordeste, o açude Coremas Mãe Dágua é responsável hoje por abastecer uma população de 464.993 habitantes, segundo levantamento do Instituto Patoense de Pesquisa e Estatística-INPPE.

Os dados levam em consideração os municípios que utilizam a água do manancial nos estados da Paraíba e Rio Grande do Norte, tanto através do sistema de adutora, quanto por meio da captação do líquido na bacia do Rio Piranhas, seguindo curso até o Rio Grande do Norte.

Nos dois estados, o manancial é responsável por abastecer 30 municípios, alguns quase na sua totalidade a exemplo de Patos, município que hoje conta com 102.020 habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE.

Na Paraíba, o açude Coremas Mãe D’água abastece atualmente os municípios de Patos; Pombal; São Bento; Belém do Brejo do Cruz; Santa Luzia; Coremas; Paulista; Belém; São Mamede; Condado; Malta; São José de Espinharas; São Bentinho; São José do Sabuji; Salgadinho; Cacimba de Areia; Vista Serrana; Cajazeirinhas; Várzea; Passagem; Areia de Baraúnas e Quixaba, que juntos totalizam 22 municípios, e 287.021 habitantes.

A exemplo de Coremas, outros dois grandes açudes da Paraíba também estão em situação crítica. O açude Epitácio Pessoa em Boqueirão, está como menos de 17% de sua capacidade.

O açude, que é responsável pelo abastecimento hídrico de Campina Grande e de mais 18 municípios, ainda vive um momento crítico, e está perdendo um centímetro de água por aferição segundo a Agência Executiva de Gestão das Águas (AESA). Na última aferição realizada ontem 07/08/2015 o manancial que tem capacidade máxima (m3) - 411.686.287 apresentou o volume total em (m3) de 70.280.392, ou seja, detém 17,1% do seu volume total. No ultimo dia 31 de julho o manancial tinha 17,3%. Construído pelo Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DENOCS), Boqueirão é responsável por matar a sede de 1 milhão de paraibanos.

Outro açude que agoniza é barragem de Acauã (Argemiro de Figueiredo), mais conhecida como Acauã. Inaugurada em 2002, com capacidade de armazenamento de 253 milhões de metros cúbicos de água, a barragem seria responsável por represar as águas do Rio Paraíba em seu médio curso. No entanto, hoje, Acauã possui apesar de estar recuperando sua capacidade hídrica detém pouco mais de 42 milhões de metros cúbicos de água, o que representa apenas 16,8% de sua capacidade de armazenamento. 

 

 

 

Fonte: De Severino Lopes/PBAgora