Agentes penitenciários suspendem serviços de escoltas e entrada de grupos religiosos na PB

Agentes penitenciários suspendem serviços de escoltas e entrada de grupos religiosos na PB

Os serviços de escoltas de presos para audiências judiciais e entrada de grupos religiosos nas unidades foram suspensos. Os agentes penitenciários da Paraíba suspendem a realização desses serviços por cinco dias, a partir desta segunda-feira (31). De acordo com o presidente dos Servidores da Secretaria de Administração Penitenciária (Sindseao), Manuel Leite, qualquer outra atividade interna serão suspensas, como as de ressocialização.

Segundo ele não é uma paralisação é uma Operação Padrão, revelando que alguns serviços vão deixar de ser executados por estarem sendo feitos de forma irregular e ilegal. De acordo com Leite, os agentes penitenciários reivindicam coletes à prova de bala e armas e treinamento para conduzir veículos de escoltas.

As visitas são mantidas, as determinações judiciais, alimentação, banho de sol, atendimento médicos de urgência e emergência, fornecimento de medicações de uso contínuo, procedimentos de segurança e vigilância interna e contagem de presos.

Durante a mobilização os veículos oficiais deverão ficar recolhidos nos pátios das unidades prisionais e o recebimento de novos presos ficará a cargo da direção de cada presídio.

A categoria reivindica um Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR). O presidente do Sindicato afirma que os agentes penitenciários hoje não têm direito a mudança de cargo e promoções e o PCCR regulamentaria segundo Leite.


De acordo com o secretário da Administração Penitenciária, Wallber Virgolino, está ocorrendo diálogo com a categoria. Ele acrescentou que eles realmente têm alguns direitos que devem ser atendidos e uma reunião entre a Seap e representantes dos agentes deve acontecer nesta segunda-feira.

Redação