Aécio afirma que Dilma dá 'desculpa' ao dizer que desconhecia corrupção

Aécio afirma que Dilma dá 'desculpa' ao dizer que desconhecia corrupção

O candidato do PSDB à presidência da República, Aécio Neves, disse nesta terça-feira (9) que a presidente Dilma Rousseff dizer que não sabia de eventual corrupção na Petrobras é uma "desculpa que não serve mais aos brasileiros".

Aécio deu a declaração em Goiânia, onde participou de ato de campanha. Ele foi questionado por jornalistas sobre as denúncias do ex-diretor de Refino e Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, segundo quem havia pagamento de propina para políticos e autoridades do governo em um esquema que beneficiava contratos de fornecedores da Petrobras. 

"Não dá para a presidente Dilma voltar a dizer que não sabia. Essa desculpa não serve mais ao povo brasileiro", disse Aécio.

Segundo o candidato, a oposição já denuncia problemas na Petrobras desde o ano passado. "A gente começou a denunciar irregularidades na estatal e o governo dizia que a gente queria denegrir a imagem da principal empresa publica brasileira. Hoje vemos que um grupo político se apropriou da Petrobras para fazer negócios, que tinham como consequência manter o PT no governo. Isso precisa ser investigado", afirmou.

O candidato afirma que pretende reformular a empresa para evitar novas fraudes. "A minha proposta é a de devolver a Petrobras aos brasileiros, isso em todas as empresas públicas. Farei uma intervenção em todas elas", afirmou, sem destacar quais mudanças seriam essas.

Aécio voltou a afirmar, a exemplo do que tem feito em atos de campanha, que a presidente Dilma vai perder as eleições.

"O PT vai perder essas eleições, essa é a minha convicção. Eles não têm mais condições de permanecer no poder. Por isso queremos uma retomada de valores e que salve a economia brasileira. A situação que vivemos hoje, com corrupção e volta da inflação, só mostra a inexperiência da presidente Dilma", disse.

Suposto esquema de corrupção na Petrobras
Em depoimento ao Ministério Público, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa delatou que havia pagamento de propina a políticos em contratos fechados pela estatal. Reportagem da revista "Veja" desta semana disse que, nos depoimentos, Costa afirmou que estão envolvidos no suposto esquema três governadores, seis senadores, um ministro e pelo menos 25 deputados federais.

Costa foi preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, que investiga esquema bilionário de lavagem de dinheiro em todo o país. Ele fez acordo de delação premiada com a Polícia Federal e tem prestado depoimentos sobre os supostos casos de corrupção na Petrobras.

A Superintendência da Polícia Federal no Paraná abriu uma investigação para apurar o suposto vazamento do depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa sobre um suposto esquema de propina na estatal. O inquérito foi aberto no sábado (6), após a publicação das primeiras reportagens sobre a suspeita de envolvimento de políticos no caso.

Críticas a Marina
Em Goiânia, Aécio Neves também fez críticas a Marina Silva, uma de suas concorrentes na disputa eleitoral. A exemplo do que vem fazendo em discursos recentes, ele disse que a candidata do PSB defende hoje posições diferentes de antes.

"Hoje ela é a Marina que defende a política econômica proposta pelo PSDB ou é aquela que foi contra o Plano Real? Ela é aquela que hoje abre os braços para o agronegócio ou é aquela que criou uma proposta contra os transgênicos? É a Marina que dentro do PT defendia o corporativismo ou é a que impedia a qualidade da gestão pública? Ou é a Marina que agora defende remuneração variável para os servidores públicos?", questionou.

 

G1