Acusado de matar cabeleireira é solto e delegados criticam morosidade da Justiça paraibana

Acusado de matar cabeleireira é solto e delegados criticam morosidade da Justiça paraibana

Um dos acusados pela morte da cabeleireira Mailda Ferreira da Silva, de 40 anos, em fevereiro deste ano, foi solto no sábado (5), em João Pessoa. Adriano de Sousa Silva, conhecido ‘Vida’, estava preso na Central de Polícia Civil da Capital paraibana, desde março deste ano. Outras três pessoas continuam recolhidas na Penitenciária Flósculo da Nóbrega, o Presídio do Roger, aguardando julgamento. A liberdade dele casou revolta entre os delegados, que acompanharam o caso. As autoridades policiais criticaram a morosidade da Justiça paraibana.

“Estamos fazendo um trabalho literalmente de enxugar gelo. A gente prende e a Justiça solta. O delegado Bruno Victor, que presidiu o inquérito, foi diversas vezes pessoalmente no Fórum Criminal para pedir a prorrogação da prisão de Adriano de Sousa, mas sem sucesso. É um absurdo e lastimável para nós soltar uma pessoa que comprovadamente participou de uma execução”, lamentou a delegada Roberta Neiva, chefe da Homicídios de João Pessoa.

Adriano de Sousa estava com a prisão temporária decreta e a Polícia Civil teve que soltá-lo porque a prisão dele não foi prorrogada nem convertida em prisão preventiva. A liberação do acusado foi feita pelo delegado Bruno Victor, que o prendeu. Victor ressaltou a sensação de dever cumprido da Policia Civil em colocar na cadeia os quatro envolvidos no assassinato da cabeleireira, mas criticou a lentidão da Justiça paraibana na conversão do mandado de prisão.

“O inquérito do caso da morte da cabeleireira está fechado e com todos os indícios e provas testemunhais da participação dele no crime. O Adriano de Sousa foi quem pilotou a moto e, armado, invadiu a casa da mulher e efetuou tiros dentro do imóvel. Isso é uma desmoralização e uma perda de tempo para nós que fazemos de tudo para prender os criminosos”, falou o delegado Bruno Victor informando que o acusado sabe o endereço da família e das testemunhas ouvidas no processo. “O receio da gente é que possa fazer algo tanto com a família da vítima quanto com as testemunhas”, comentou.

Victor disse que solicitou cerca de 12 mandados de prisão e que ainda não foram apreciados pelos 1º e 2º Tribunal do Júri de João Pessoa. “Enquanto isso, os acusados pelos crimes estão soltos e praticando mais e mais homicídios e a gente não pode fazer absolutamente nada. A justiça deveria ser mais célere para que assim possa dar uma satisfação à população que confia no seu processo judiciário”.

O crime

A cabeleireira foi assassinada no bairro do Cristo, em João Pessoa, no dia 22 de fevereiro deste ano. Segundo informações da Polícia Militar, Mailda Ferreira estava na casa de um amigo quando escutou sons de tiros na rua. Ao sair, foi atingida por uma bala no peito e morreu a caminho do hospital. Os tiros seriam para os sobrinhos dela, que teriam se envolvidos em uma discussão.

Segundo informações policiais, a discussão teria começado com dois sobrinhos da vítima que foram reclamar por causa do barulho do som do carro em que os acusados estavam. Os suspeitos não gostaram e começaram a atirar no meio da rua e um dos tiros atingiu o tórax da cabeleireira, que morreu na hora. Um soldado do exército e outro sobrinho de criação da vítima, que estavam na rua, também foram feridos. Os dois acusados moravam próximo da cabeleireira. Os bandidos ainda invadiram a casa da vítima a procura pelos sobrinhos dela e efetuaram vários tiros dentro do imóvel.

 

Fonte: Por Hyldo Pereira