Acre decreta calamidade pública por causa de cheia do Rio Madeira

Acre decreta calamidade pública por causa de cheia do Rio Madeira
O governador Tião Viana (PT-AC) decretou situação de calamidade pública no Acre, nesta segunda-feira (7).
 
A decisão foi motivada pela cheia histórica do Rio Madeira, em Rondônia (RO), que prejudicou o tráfego na BR-364, única via de acesso ao estado por via terrestre.
O estado já estava em situação de emergência desde o dia 26 de fevereiro.
 
"A situação continua ainda muito grave. Podemos dizer que o pior já passou, mas as consequências ainda são graves, do que estamos vivendo e viveremos nas próximas semanas. Diante disso, de uma análise técnica com as equipes de Defesa Civil, tendo o estado de Rondônia decretado sua situação de calamidade pública na última sexta-feira (4), o Acre se sentiu no dever de também decretar situação de calamidade pública estadual", disse.
 
Segundo o governador, o decreto deve tornar mais fácil o apoio do governo federal e a adoção de medidas para auxiliar a população e o setor empresarial, que tem sido bastante afetado pelo problema.
 
"Como linhas de crédito especial do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), apoio de bancos públicos. Fortalecimento e o amparo para que as prefeituras tenham mobilidade para buscar o apoio da União", enfatiza.
 
Governo busca alternativas
Para tentar amenizar os efeitos do desabastecimento, o governo tem buscado alternativas. Uma delas é a importação de produtos alimentícios e gasolina do Peru, outra é o estabelecimento de uma rota vinda do Paraná (PR), passando pela Argentina, Chile e Peru antes de entrar novamente no Brasil pela fronteira com o município acreano de Assis Brasil, distante 342 km da capital.
 
De acordo com a chefe da Casa Civil, Márcia Regina, uma operação tem sido realizada também na BR-364 para garantir a passagem de caminhões com cargas para o estado. Duas balsas e uma prancha que transporta os caminhões por terra estão sendo utilizadas, além de uma equipe de mais de 20 pessoas mantida pelo governo acreano no estado vizinho.
 
Com a operação, em sete dias chegaram ao Acre pela BR-364 mais de 1.293 toneladas de gêneros alimentícios, tanto de primeira necessidade quanto de outros tipos, de acordo com o governo do estado. Entre os dias 31 de março e o último domingo (6) a mercadoria foi transportada em 161 veículos de grande porte.
 
Entenda o caso
Por conta da cheia em Rondônia, o estado do Acre sofreu ao longo do mês de março, com o desabastecimento de alguns produtos, como gêneros alimentícios, gás e combustíveis. Durante alguns dias, motoristas formaram filas extensas para tentar abastecer seus veículos.
 
Aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) e fretados estão trazendo mantimentos para o estado e garantindo o abastecimento de produtos de primeira necessidade, além de medicamentos e itens hospitalares. Além do setor de produtos alimentícios, o automotivo também está sofrendo com o fechamento da BR-364.
 
Concessionárias da capital acreana estão sem receber veículos causando um prejuízo de ao menos R$ 60 milhões, segundo o presidente da Federação do Comércio do Acre (Fecomercio-AC), Leandro Domingos.
 
Outro setor que ficou comprometido foi o de franquias. Algumas estão sem receber produtos há mais de 60 dias e estão com os lucros comprometidos. Em entrevista ao G1, a chefe da Casa Civil, Márcia Regina, disse que o estado deve levar ao menos três anos para se recuperar dos prejuízos.
 
Fonte: G1