Acampamento de bandidos localizado na Paraíba se assemelha ao Cangaço, segundo a polícia

Acampamento de bandidos localizado na Paraíba se assemelha ao Cangaço, segundo a polícia

Um acampamento de bandidos foi descoberto no assentamento Nova Vida, na cidade de Pitimbu, no Litoral Sul da Paraíba, a 68 km da Capital, por equipe do Grupo Tático Especial da Polícia Civil, às 12h desta quarta-feira (16). A quadrilha é suspeita por assaltos e homicídios na região.

Segundo os agentes que estiveram no local, que foram cobrir especulações sobre a existência de quadrilha naquela localidade, foram encontradas onze redes armadas, dois colchões no chão e roupas usadas em assaltos, reconhecidas, segundo o delegado Aneilton Castro, da Delegacia Seccional de Polícia Civil do Litoral Sul, por terem sido usadas em assaltos que foram registrados por câmeras de segurança.

Também foram localizadas peças de motos, um colete à prova de balas, capuz, coldre e algumas munições, sendo a maioria já deflagrada. De acordo com Castro, foi apreendida certa quantidade de maconha pronta para o consumo e foram localizadas quatro ‘plantinhas’ da erva cultivadas no local, o que caracteriza como o grupo estava bem estabelecido naquele lugar. “Percebemos que a quadrilha tinha boas condições de subsistência no acampamento, pois armazenava mantimentos, fazia refeições e tinha roupas disponíveis”, disse o delegado.

A polícia informou que o líder da quadrilha de mais de dez bandidos é um homem de 34 anos, natural de Condado, em Pernambuco, na região da Mata do estado, a 58 km de Recife. Existe mandado de prisão contra o mesmo por homicídio e roubo. Ele continua foragido. No grupo existem criminosos oriundos das cidades de Mari, Itabaiana, Santa Rita e do estado de Pernambuco.

Foi recuperado um veículo Fiat Uno roubado que estava escondido dentro de uma mata nas proximidades do Nova Vida. “A maneira que encontramos o acampamento dos bandidos pode até se assemelhar, por suas características, com o Cangaço, visto que se trata de um grupo armado que se refugiava em um esconderijo antes das ações criminosas”, comentou Aneilton Castro.

 

Portal Correio