188 municípios da Paraíba estão esquecidos e sem emendas parlamentares

188 municípios da Paraíba estão esquecidos e sem emendas parlamentares

A população da Paraíba tem 15 representantes no Congresso Nacional. Doze estão na Câmara Federal e três no Senado. Todos eles chegaram a Brasília com os votos de eleitores de várias cidades. Contudo, nem todos os municípios estão sendo lembrados pelos parlamentares. Em 2014, por exemplo, a grande maioria deles foi completamente esquecida pelos deputados e senadores.

Dos 223 municípios paraibanos, 188 não foram beneficiados com emendas parlamentares no ano passado. Significa que 84% das cidades ficaram de fora dos planos de desenvolvimento dos 15 deputados e senadores, já que os recursos colocados no orçamento do governo federal podem ser voltados para qualquer área escolhida pelos legisladores.

Somente 35 municípios foram beneficiados com emendas parlamentares no último ano da legislatura passada. E esses abocanharam R$ 141.450.259 milhões.

Mais de 60% desse total de verba (60,25%) foram destinados para Campina Grande e João Pessoa. Ao todo, deputados federais e senadores paraibanos destinaram R$ 85.231.841 milhões para as duas cidades, sendo que a Rainha da Borborema ficou com a maior fatia, ou seja, R$ 63.337.423 milhões (44,78%). Para a Capital paraibana os parlamentares voltaram R$ 21.894418 milhões (15,47%).

O restante dos valores das emendas ficou dividido da seguinte forma:

Água Branca (R$ 700.000); Aparecida (R$ 300.000); Araruna (R$ 300.000); Bananeiras (R$ 743.000); Bayeux (R$ 2.300.000); Bom Sucesso (R$ 800.000); Caaporã (R$ 300.000); Cabedelo (R$ 400.000); Cajazeiras (R$ 1.300.000); Caturité (R$ 450.000); Conde (R$ 300.000); Esperança (R$ 500.000); Guarabira  (R$ 1.050.000); Gurjão (R$ 650.000); Ingá (R$ 130.000); Itabaiana (R$ 386.000); Juazeirinho (R$ 12.000.000); Junco do Seridó (R$ 300.000); Juru (R$ 650.000); Massaranduba (R$ 650.000); Monteiro (R$ 2.000.000); Patos (R$ 19.144.418); Pilar (R$ 450.000); Pombal (R$ 1.500.000); Prata (R$ 800.000); Santa Cruz (R$ 400.000); Santa Luzia (R$ 750.000); Santa Rita (R$ 2.050.000); São Francisco (R$ 850.000); São José de Piranhas (R$ 300.000); Sapé (R$ 500.000); Soledade (R$ 250.000); Sousa (R$ 6.300.000).

Presidente da Famup explica falta de emendas

O presidente da Federação das Associações dos Municípios da Paraíba (Famup), Tota Guedes, ponderou sobre o esquecimento dos parlamentares com relação a emendas para 188 cidades. Segundo ele, as localidades que não foram beneficiadas em 2014 tiveram recursos destinados em anos anteriores pelos deputados federais e senadores.

“O gestor, quando apoia um deputado, é para que ele possa trazer recursos para seu município. E se ele apoia, tem que correr atrás”, disse.

Para Tota Guedes, o problema mesmo é que a maior parte das emendas destinadas aos municípios pelos parlamentares acaba não chegando as prefeituras, porque o governo federal não envia os valores inseridos no orçamento da União.

“Mesmo os deputados colocando no orçamento, o governo, na contenção de despesas, nem sempre libera esses recursos, na grande maioria eles não são liberados. Tem município que tem emenda de 2013 que ainda não teve o recurso liberado”, explicou.

 

 

 

Nice Almeida