“A saída do PMDB é a cartada final para o golpe”, diz Anísio Maia

“A saída do PMDB é a cartada final para o golpe”, diz Anísio Maia

“A operação Lava Jato não quer combater a corrupção. É parte de um grande acordo para tentar reconduzir ao governo, através de um golpe, aqueles que não conseguem retornar pelo voto popular e para isto, precisam detonar o PT. ” Foi o que afirmou nesta terça-feira, 29, o deputado estadual Anísio Maia (PT) na Assembleia Legislativa, comentando as movimentações para um grande acordo entre o PSDB e o PMDB na tentativa de abreviar o mandato da presidenta Dilma.

“O grande acordo é exatamente para derrubar Dilma e encerrar qualquer combate à corrupção, porque não querem investigação séria. Se a operação Lava Jato continuar, pegará em cheio os falsos moralistas que querem derrubar um governo eleito democraticamente. Não há provas contra Dilma, mas há provas contra Cunha e as manifestações da direita querem derrubar quem?” analisou o deputado.

Para Anísio Maia, a comoção nacional criada com o suposto de combate à corrupção tem o objetivo de inviabilizar o país. No entanto, a partir do momento que políticos do PSDB e PMDB são atingidos, verifica-se o silêncio e a falta de investigação. “O juiz Sérgio Moro tem que explicar ao país por que escondeu a lista da Odebrecht, onde inclusive aparece o nome de um paraibano chamado de ‘aliado histórico’ desta empreiteira envolvida na Lava Jato. Será que os defensores da Lava Jato querem mesmo saber tudo o que sabe o presidente da Odebrecht?”, questionou.

“Se o golpe se concretizar teremos no governo do país Michel Temer, Eduardo Cunha e José Serra. Quem foi às ruas com camisas da seleção brasileira não queriam o fim da corrupção, quer de volta o tempo do PSDB no qual os trabalhadores rurais comiam palma em tempo de seca”, concluiu.

 

 

 

 

MaisPB