A poucos dias da cassação, aliados começam a abandonar Cunha

A poucos dias da cassação, aliados começam a abandonar Cunha

A “onda” contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na Câmara levou o apoio à sua cassação a redutos em que ainda era considerado forte, como em seu próprio partido, inclusive no Rio de Janeiro, e no centrão. Dos 18 deputados que nesta sexta-feira declararam voto pela perda do mandato na enquete do GLOBO, nove são do centrão e cinco do PMDB. Até ontem, já eram 297 os parlamentares que prometiam votar pela cassação, 40 a mais do que os 257 necessários.

Nos principais partidos do centrão (PP, PR, PSD, PRB e PTB), 68 dos 164 deputados já abandonaram Cunha. No PSD, inclusive, a maioria da bancada de 35 parlamentares se posicionou desta forma. No PMDB, 20 dos 66 deputados declararam voto contra Cunha. Destes, quatro são do Rio, 40% da bancada. Cunha, aliás, já vê a maioria dos seus colegas fluminenses defenderem sua cassação: são 23 dos 45 votos do estado.

Um líder da base governista resume o sentimento de vários parlamentares. Diz ser constrangedor ter que votar contra Cunha, mas classifica como “inevitável”.

— Todo mundo fica triste, constrangido. A gente sabe que ele prestou um serviço no impeachment (da ex-presidente Dilma Rousseff), mas, sinto muito, não dá para conviver com isso — afirmou o líder.

Uma amostra de como há mobilização pela cassação foi dada pelo deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ). Ele está licenciado do mandato para comandar a Secretaria de Habitação e Cidadania do Rio, mas comunicou que reassumirá na próxima segunda-feira para votar a favor da cassação. Ele ressaltou ter combinado com o prefeito Eduardo Paes que voltaria à Câmara pontualmente para votar em questões que considera fundamentais para o país e, para ele, essa é uma delas.

— Inobstante eu não tenha participado das votações no Conselho de Ética e na CCJ, acompanhei todas as sessões e me convenci no sentido de votar pela cassação. Estarei presente na sessão de segunda. Eu me exonerei para votar no impeachment, na eleição do Rodrigo Maia e faço agora— – justificou Zveiter.

O candidato a prefeito pelo PMDB, deputado Pedro Paulo, também anunciou que reassumirá o mandato para votar pela cassação de Cunha. Peemedebistas do Rio afirmam que desde que Cunha tentou tirar o hoje ministro do Esporte, Leonardo Picciani (RJ), da liderança do partido a maioria da bancada se afastou dele. Entre os fluminenses, Washington Reis e Fernando Jordão seriam os que ainda têm proximidade com o ex-presidente da Casa. Reis votou contra a cassação de Cunha no Conselho de Ética e não se posicionou agora. Jordão admite que pode se ausentar, o que ajudaria o ex-presidente.

— Aqui no Rio, onde teria os principais amigos, é emblemática a perda de apoio — afirmou um deputado fluminense.

Mesmo a estratégia de Cunha de tentar a esvaziar a sessão tende a fracassar. O líder do PSD, Rogério Rosso (DF), afirmou que sua bancada está liberada para votar de acordo com sua consciência, mas acredita que a maioria estará presente.

– Historicamente a bancada do PSD é uma das mais assíduas e não deve ser diferente na segunda — disse Rosso.

Cunha continua tentando convencer os deputados que não merece ser cassado. Além de cartas, reforça o pedido por meio de mensagens e, para alguns, chega a telefonar. Nas mensagens, contam deputados, o tom não é de intimidação, mas apelativo. Pede que considerem os argumentos da defesa com isenção, diz que não mentiu à CPI, e apela para evitar que uma “injustiça” seja cometida contra ele, acabando com sua carreira política e destruindo sua família.

Para os deputados, sem sucesso em evitar o quorum, Cunha tentará adiar a votação, com recursos ao plenário, para depois das eleições. A avaliação da maioria, porém, é que dificilmente será possível adiar mais uma vez essa decisão.

 

OGlobo