“Não deixaremos pela metade projeto de Eduardo”, diz Beto Albuquerque

“Não deixaremos pela metade projeto de Eduardo”, diz Beto Albuquerque

O deputado federal Beto Albuquerque (PSB-RS) confirmou na noite desta terça-feira (19) que será o candidato a vice-presidente da República pelo PSB, na chapa encabeçada pela ex-senadora Marina Silva. O anúncio foi feito em reunião na sede estadual do PSB no Recife e a escolha será oficializada em encontro da Executiva nacional do partido a ser realizada nesta quarta em Brasília. A decisão foi antecipada mais cedo pelo Blog do Camarotti.

"Não deixaremos pela metade o projeto que Eduardo começou. Nós iremos concluir esse projeto, vamos vencer a eleição para dar sequência e continuidade ao trabalho revolucionário que serve de base para Marina e para mim. A morte de Eduardo Campos não foi em vão", afirmou Albuquerque após a reunião no Recife. Correção: inicialmente esta reportagem atribuiu ao deputado Beto Albuquerque a frase "Renata [Campos] declinou, mas era a candidatura dos sonhos". A declaração, na verdade, foi dada pelo presidente do PSB, Roberto Amaral. A nota foi alterada às 20h17.

O deputado acrescentou que está muito honrado em receber a missão, "uma tarefa relevante por parte do PSB de Pernambuco, da Renata Campos, seus filhos, das nossas grandes lideranças, que é representar o pensamento, o legado e a trajetória de Eduardo Campos".

Albuquerque destacou que a nova chapa do PSB está "absolutamente" sintonizada com o programa de governo e as propostas de Eduardo. Ressaltou que serão mantidas as alianças do PSB nos estados, que chegaram a contrariar Marina durante a campanha.

Sem dar detalhes, o presidente do PSB, Roberto Amaral, disse que a primeira atividade de campanha de Marina e Albuquerque juntos deve ocorrer já no próximo domingo (24), na capital pernambucana.

Em entrevista a jornalistas, Albuquerque criticou "ataques" a Marina feitos por adversários, após ter substituído Eduardo Campos, morto na semana passada. "Não nos assusta nossos adversários já dizendo que vão centrar fogo na Marina. Nós temos que centrar fogo nos males que estão sendo feitos no Brasil", disse.


G1