'Dilma põe o Congresso de cócoras', diz Aécio Neves em pronunciamento

'Dilma põe o Congresso de cócoras', diz Aécio Neves em pronunciamento

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), subiu à tribuna da sessão do Congresso Nacional nesta quarta-feira (4) para, em tom bastante exaltado, dizer que a presidente Dilma Rousseff coloca o Legislativo de “cócoras” e coloca “preço” nos parlamentares ao condicionar a liberação de emendas à aprovação do projeto que derruba a meta fiscal prevista para 2014.

O decreto presidencial autoriza a liberação de mais R$ 444 milhões para o pagamento de emendas parlamentares, verbas usadas por deputados e senadores para bancar obras em seus redutos eleitorais. No atento, atrela a verba à aprovação do projeto da meta fiscal, de interesse do governo. Com o decreto, cada parlamentar passaria a ter direito a cerca de R$ 750 mil a mais.

“Hoje a presidente coloca de cócoras o Congresso Nacional ao estabelecer que cada parlamentar tem um preço. Os senhores que votarem a favor dessa mudança valem 748 mil reais. Essa é uma violência nunca vista nessa casa. Eu estarei aqui atento ao cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal”, disse Aécio, com dedo em riste.

Em seguida, o microfone do senador foi cortado porque já havia se esgotado seu tempo regimental – o corte é automático. Aécio continuou o discurso aos gritos e reiterou que os parlamentares que votarem favoravelmente ao projeto estão interessados em receber suas emendas e “talvez mais cargos para os senhores da base”. “É triste o dia de hoje”, concluiu.

O plenário ficou bastante agitado, com oposicionistas aplaudindo e governistas vaiando o candidato que perdeu as eleições presidenciais de outubro.

Para Aécio Neves, o projeto apresentado pelo governo federal “fere de morte” a Lei de Responsabilidade Fiscal. “Busca-se dar à presidente da República a anistia pelo crime de responsabilidade por ela já cometido”, afirmou.

O senador ainda citou declarações de Dilma Rousseff feitas durante a campanha eleitoral, e que, agora, segundo ele, estão sendo “desmentidas”. A presidente teria dito em setembro que “o Brasil não está desequilibrado” e que o governo não acreditava em “choque fiscal”, conforme Aécio. “Hoje o governo reeleito anuncia intenção de promover choque fiscal que pode chegar a 90 milhões”, contrapôs o tucano.

“Em agosto, a presidente da República disse ‘acredito que teremos condições de cumprir o superávit primário previsto no inicio do ano’. Hoje a presidente da República coloca de joelhos a sua base no Congresso Nacional”, afirmou.

O líder do PSOL, deputado Ivan Valente (SP), anunciou que seu partido votará favoravelmente ao projeto que trata da meta fiscal e cobrou um pedido de desculpas de Aécio por ter “generalizado” os parlamentares.

“O senador Aécio acusou quem vai votar sim de estar sendo comprado”, afirmou. “Peço que o senador Aécio Neves não faça generalizações, mas peça desculpas porque não vamos aceitar esse tipo de coisa”, cobrou o deputado.


 

180 Graus