UFC 162: não, a derrota não foi armação. Saiba os motivos

12/07/2013 15:11

Combinar a luta seria péssimo para todos - principalmente para o próprio UFC...

Anderson Silva é nocauteado por Chris Weidman no UFC 162, em Las Vegas

Anderson Silva é nocauteado por Chris Weidman no UFC 162, em Las Vegas - Donald Miralle/Zuffa LLC/Getty Images

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A troca no trono da categoria peso-médio do UFC, que durante quase sete anos foi ocupado por Anderson Silva, está prestes a completar uma semana. Nesse período, o americano Chris Weidman, que nocauteou o brasileiro e tomou seu cinturão, já começou a desfrutar da doce rotina de campeão - nesta sexta, postou no Twitter uma foto de uma viagem num jatinho do UFC. Apesar de clara vitória de Weidman, alguns torcedores, principalmente os fãs brasileiros, ainda questionam se a luta não foi combinada. Incrédulos com a derrocada do Spider, eles suspeitam de uma "marmelada": conforme essa versão, uma armação nos bastidores preparou o roteiro para a ascensão de um novo campeão. Ainda de acordo com essa teoria da conspiração, o objetivo da farsa seria aumentar os lucros dos lutadores e do UFC (com a provável revanche, por exemplo). Essa versão, no entanto, circula apenas entre os torcedores - para quem vive no meio das lutas, trata-se de uma grande maluquice. A combinação de resultados, afinal, seria catastrófica para os dois lutadores, e não apenas do ponto de vista esportivo. Uma armação também seria um golpe fulminante contra o crescimento do torneio no Brasil e contra o próprio UFC. Dana White, presidente da franquia, saiu do sério ao ser questionado sobre isso na entrevista coletiva concedida logo depois da luta: "Essa foi a coisa mais estúpida que eu já ouvi na minha vida". Como ele mesmo lembrou, a queda de Anderson não significa um grande lucro para os envolvidos. Pelo contrário: muita gente perdeu muito dinheiro no UFC 162. Um dos argumentos usados por quem desconfia do resultado era a existência de uma aposta de 1 milhão de dólares na vitória de Weidman, que era azarão nas bolsas de Vegas. Na quinta, revelou-se que a tal aposta não passou de boato.

Por que o UFC 162 não foi uma armação?

1 de 6

Porque os irmãos Fertitta poderiam quebrar

Lorezo e Frank Fertitta, os irmãos que são donos do UFC, têm mais de quinze cassinos em Las Vegas. E qual é o motivo que leva a dupla a realizar as lutas nos hotéis da concorrência ao invés de colocar os eventos em seus próprios estabelecimentos? SImples: os Fertitta não querem misturar as apostas realizadas em seus cassinos com o torneio de que são proprietários, uma forma de evitar suspeitas desnecessárias. Uma possível armação de resultados, se descoberta, poderia significar a falência da dupla, já que a licença para o recebimento de apostas nos cassinos dos irmãos seria cassada. Ou seja: se combinassem essa luta e fossem descobertos, poderiam perder seu império em Vegas.

 

O que muda com a derrota de Anderson Silva

 

1 de 5

Superlutas adiadas

Os sonhados duelos entre Anderson Silva e Jon Jones ou Georges St-Pierre - de preferência, no fim do ano, para festejar os 20 anos do UFC - estão muito mais distantes. Tanto "Bones" como GSP deverão continuar lutando dentro das suas categorias.

 

UFC: saiba o que ainda vem por aí em 2013

 

1 de 4

José Aldo x Chan Sung Jung

O campeão dos penas do UFC lutaria contra Anthony Pettis, mas o americano se lesionou durante os treinos e ficou fora do card. Pettis deu lugar ao sul-coreano Chan Sung Jung, conhecido como Zumbi Coreano. Será a segunda noitada de lutas no Rio com Aldo como o grande astro do evento - no outro evento estrelado por ele, ganhou de Chad Mendes. Outro duelo já confirmado para o card principal do dia 3 de agosto, na HSBC Arena, é entre Demian Maia e Josh Koscheck.

 

Os 12 trabalhos de Anderson 'Hércules' Silva

 

1 de 12

Carreira internacional

Anderson Silva participou de vários eventos no Brasil, mas sem conseguir grande destaque. Como vários lutadores brasileiros, a maioria sem sucesso, ele tentou a carreira internacional e participou de torneios como Meca, Cage Rage e Shotoo. O próximo passo foi tentar a sorte no Pride, evento que abrigava os principais brasileiros. Foi o início de sua trajetória de sucesso.

 
  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Veja