Lutadora paraibana é destaque no MMA

16/07/2013 11:38
16-07-2013.085805_BetheJovem, bonita e preparada para superar desafios. Assim é a lutadora de MMA Bethe Correia, natural de Campina Grande, no Agreste paraibano. Conhecida internacionalmente, a atleta, também conhecida como Bethe Pitbull, é considerada atualmente uma das melhores do mundo no ranking da categoria mosca e já conquistou seis vitórias, nas seis lutas profissionais das quais participou.
 
Bethe começou a treinar em Natal, onde foi morar aos 25 anos. Seu primeiro contato com as lutas aconteceu com o Boxe Chinês, para manter a forma, mas logo conheceu o MMA, se apaixonou e estreou no esporte em maio de 2012. Desde então, não parou mais ganhar espaço na modalidade. Sua vitória mais recente aconteceu no último dia 29 de junho, num confronto contra a paraense Érica Paes no Jungle Fight 54, em Barra do Piraí, no Rio de Janeiro. 
 
Focada, Bethe tem o objetivo de entrar no maior evento da América Latina, o Jungle Fight, e também entrar no Ultimate Fighting Championship (UFC). Para isso, a atleta invicta migrou do peso mosca para o peso galo e se dedica quase que integralmente à sua carreira. Ela treina em média 5 horas por dia, de segunda a sexta e, inclusive, aos sábados pela manhã.
 

 

Sobre a participação feminina em um esporte dominado por homens, Bethe se diz otimista e atribui a atual aceitação à adesão ao MMA feminino do presidente do UFC, Dana White. Para ela, com o The Ultimate Fighter (TUF) feminino nos USA, ainda mais portas serão abertas.
 
Além dos desafios encarados durante os treinos e no octógono, a paraibana enfrenta outro grande adversário conhecido pela maioria dos atletas: a falta de patrocínio. De acordo com Bethe, mesmo com a grande repercussão e interesse público no MMA, muitos governos ainda não dão o apoio tão imprescindível aos atletas. Um dos principais sonhos da lutadora é levantar a bandeira da cidade onde nasceu. 
 
“Sou de Campina Grande e meu sonho é levantar a bandeira daqui nas minhas lutas, representar a cidade onde nasci e que amo demais. Só falta o governo me ajudar. Seria uma honra e preciso muito”, finalizou.
 
Com dedicação e muita garra, Bethe Correia segue conquistando não só seu espaço no esporte, mas também mostrando a força da mulher paraibana.
Fonte: Portal Felipe Galdêncio