Itaporanga: Com SAMU de Itaporanga quebrado, grávida esperou 4h pelo de Piancó, e perdeu o filho

09/07/2013 17:25
A saúde pública regional é um drama baseado em muitos capítulos trágicos. Todos os dias, a novela da vida real revela episódios lamentáveis, onde não há heróis e os protagonistas morrem de verdade.

Se os hospitais no Vale não estão devidamente equipados e adequados para o atendimento de urgência, a dificuldade para remoção de pacientes tornou-se um problema a mais depois da quebra de uma viatura do SAMU de Itaporanga por falta de manutenção preventiva.


No começo da madrugada desta segunda-feira, 8, uma parturiente deu encontrada no hospital de Itaporanga em trabalho de parto, mas, devido à gravidade do caso, precisou ser removida: sem poder dispor do SAMU local, foi necessário recorrer a Piancó, mas a viatura do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência demorou quatro horas para chegar, segundo familiares da mulher, negligência que custou uma vida.

O atraso na remoção da parturiente para um hospital de Campina Grande e a longa viagem foram determinantes para selar um destino: na tarde desta segunda-feira, a criança, que era prematura de seis meses, não resistiu. O menino, que se chamaria Leonardo, nasceu dentro da ambulância, antes de chegar em Patos, e ainda resistiu até o hospital de Campina, foi internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), mas não sobreviveu.

Seria o primeiro filho do jovem casal Clebson Wellington Sousa e Ana Cecília Sousa, que reside em Itaporanga e já havia passado por uma perda antes em função de complicação no parto, mas, desta vez, seus familiares acreditam que foi a demora na remoção da grávida que determinou a morte da criança. Nas redes sociais, parentes e amigos do casal lamentaram o fato e se disseram revoltados com a precariedade dos serviços de saúde pública.

No sábado, 6, à noite, um jovem vítima de um acidente de moto em Itaporanga também teve dificuldade para ser removido por causa do problema mecânico da ambulância do SAMU local e precisou recorrer a Piancó.

Fonte:  folhadovali