ENTREVISTA: Francisco Job (Chico de Jó) Ativista cultural e poliglota

03/08/2013 00:50

Chico JóREPÓRTER: Qual a sua visão da atual política local e regional?

ENTREVISTADO: Falar em política em Piancó paradoxial. Existem caminhos que possibilitem o povo a ter melhores condições de vida com a geração de emprego e renda. Basta querer veja o que fizeram com a região de Bananeiras. Eles pegaram o frio de graça e venderam aos turistas. Aqui podemos fazer a inversão e tirar melhor proveito. Temos as mesmas trilhas de lá, no entanto, temos grandes açudes que lá não existe, sol forte e chuva amena e o melhor a trilha da Coluna Prestes com um acontecimento inédito e isso a gente fala desde de 2004.

REPÓRTER: O que falta fazer então para explorar o turismo nessa área?

ENTREVISTADO: Vontade política. Falta isso meu caro, desde o Governo estadual até o municipal. Tenho certeza que a Rota da Coluna Prestes que já é Lei em vários municípios da região for colocada em prática isso aqui vai render dinheiro e muito dinheiro. Agora para isso acontecer basta ir à região do brejo. Repito eles pegaram o frio, os caminhos da zona rural, o chão que lotearam e souberam vender a preços acima do mercado. Porque não faz a mesma coisa aqui? Quem quiser ver a realidade é só viajar até aquela região e vivenciar o “Caminhos do Frio”.

REPÓRTER: Você está morando em Piancó há décadas porque a cidade parou no tempo em alguns aspectos?

ENTREVISTADO: Eu acho até melhor não falar porque o povo não vai compreender, mas, os políticos sabem a resposta. Quando lembro que nos anos 80 até meados dos anos 90 ficamos entre as oito cidades mais produtivas do Estado e hoje somos meros coadjuvantes; Isso me machuca. Porém, temos a oportunidade da virada e parece que eles não querem, apesar dos apelos e alertas de poucos.

REPÓRTER: O que poderia ser feito então?

ENTREVISTADO: Fazer o mínimo um exemplo; o maior governante quer apoio político correto? Pois bem ele terá desde que invista na cidade. Isso é complicado ou simples? Na hora que uma Universidade chegar aqui isso cresce, na hora que investir no turismo, nem fale e é tudo barato. O prédio para Universidade nós temos, gente para trabalhar nós temos, belezas naturais, culturais e religiosas. Sem falar no episódio histórico e único em nível nacional da Coluna Prestes ocorrido aqui. E então meu aro repórter posso lhe devolver a pergunta? Isso custa caro? É difícil? Traz rendimentos para a cidade? Nós estamos fazendo nossa parte desde os anos 2000 porque os governos não tiram esses projetos do papel já elaborados e viáveis economicamente?

Fonte: Jornal da Paraíba por Joaquim Franklin