ENTREVISTA: José Barreto (PSDB), vereador da cidade de Olho D´Água

20/07/2013 09:06

REPÓRTER: O senhor se elegeu em 2012 qual a sua visão da política?

ENTREVISTADO: Que precisamos continuar trabalhando para o desenvolvimento de minha terra e assegurar a democracia. Creio que temos muito a fazer por minha cidade e o Brasil. A sociedade não aceita os desmandos dos que desejam enganar o povo. Porém, afirmo que estou fazendo minha parte de lutar por uma sociedade igual.

REPÓRTER: O que o senhor pensa em fazer como representante de sua cidade?

ENTREVISTADO: Já apresentei requerimentos pedindo mais escolas, estradas, saúde e melhorar a infraestrutura local. Também apresentei um requerimento pedindo a realização de uma audiência publica para debatermos o problema das drogas e sempre participo de palestras, encontros, seminários na minha cidade e região.

REPÓRTER: Com o senhor avalia as manifestações pelo Brasil?

ENTREVISTADO: Avalio de forma positiva aqueles que realmente vão para as ruas pedir melhorias pelo Brasil. Eu mesmo participei com muita honra de uma manifestação aqui há dois meses. Estávamos reivindicando uma UTI, um IML e um Campus Universitário. No entanto, fizemos tudo com responsabilidade e com o apoio do povo. Agora com baderna não conta com o meu apoio.

REPÓRTER: O senhor é contra ou a favor da reforma política e da maioridade penal?

ENTREVISTADO: Sou a favor da reforma política, mas temos que ter vários debates sobre o assunto. São inúmeros pontos que temos que discutir como exemplo a obrigatoriedade do voto e o financiamento de campanha. Em relação a maioridade penal temos que aprofundar sobre o assunto e realizar um grande debate com todas as classes sociais. Para depois tomarmos a decisão sobre o assunto.

REPÓRTER: Uma avaliação sobre a câmara de vereadores e administração de sua cidade.

ENTREVISTADO: Olha até agora posso avaliar como positivo o trabalho dos dois poderes. Recentemente tivemos as contas da câmara e da prefeitura aprovadas pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado). Porém, temos muito a fazer, muito trabalho pela frente e buscar melhorar os serviços que necessitem de carência.

Por Joaquim Franklin - Jornal da Paraíba