Cruzeiro arrasa Atlético-GO, encaminha vaga e celebra 13 anos de título

13/07/2013 21:18

No dia em que comemorou 13 anos da conquista do seu terceiro título da Copa do Brasil, diante do São Paulo, no Mineirão, estádio em que voltou a jogar, na noite desta quarta-feira, o Cruzeiro goleou o Atlético-GO, por 5 a 0, e deu passo enorme para seguir adiante na competição. O time celeste pode até perder por quatro gols de diferença, na partida de volta, no dia 17, no Serra Dourada, que ficará com a vaga para a próxima fase. Somente uma tragédia poderá tirar sua classificação.

Apesar da goleada, que deixa o Cruzeiro com as duas mãos na vaga, o lateral esquerdo Egídio destacou o ótimo resultado, mas não comemorou a vaga. “Não é assim, futebol é caixinha de surpresa. Temos de entrar lá com o mesmo empenho”, destacou. O zagueiro Arthur, do Atlético-GO, por sua vez, considera uma "missão muito difícil", mas não desiste. “Independente do resultado de hoje a gente tem de tentar até o final”, enfatizou.

Envolvido em notícias sobre um desentendimento com o técnico Marcelo Oliveira, por não ter gostado de ser substituído contra a Portuguesa, o que foi desmentido por ele, Diego Souza teve boa atuação. Antes do início da partida, o treinador confirmou que teve uma conversa com alguns atletas que não estavam rendendo o desejado. “Conversei com jogadores importantes que não estão rendendo, procurando lhes devolver a confiança. O Diego Souza é um deles”, afirmou o comandante cruzeirense.

E o gol marcado por Diego Souza, logo aos 10 min, facilitou a tarefa celeste e foi muito reclamado pelo Atlético-GO. A polêmica aconteceu porque no lance imediatamente anterior ao tento cruzeirense, o goleiro Márcio se chocou com o zagueiro Arthur, seu companheiro de time, ficando caído no gramado. A arbitragem não parou o jogo e o Cruzeiro seguiu no ataque e colocou a bola nas redes adversárias.

Além de encaminhar sua classificação, o Cruzeiro manteve escrita sobre o Atlético-GO, pois segue sem ter sido derrotado pelo time goiano na condição de mandante. Em seis jogos, nesta situação, agora são cinco triunfos celestes e um empate. Outra marca importante foi a manutenção dos 100% de aproveitamento no Mineirão, desde a reabertura do estádio, em fevereiro deste ano. No dia 9 de julho de 2000, o Cruzeiro foi campeão pela terceira vez da Copa do Brasil, ao vencer o São Paulo, por 2 a 1.

Ampliar

Cruzeiro enfrenta Atlético-GO na Copa do Brasil8 fotos

5 / 8
Souza tenta jogada de ataque na partida entre Cruzeiro e Atlético-GO pela terceira fase da Copa do Brasil no Mineirão Washington Alves/VIPCOMM

Detalhe curioso, que chamou a atenção dos torcedores que compareceram ao Mineirão foi o fato de um jogador de cada time utilizar acessório de proteção. O zagueiro atleticano Diego Giaretta com máscara, por causa de fratura no nariz, que o obrigou a duas cirurgias corretivas, e o volante celeste Nilton, que levou cinco pontos no supercílio, no empate com a Portuguesa, por 1 a 1, pelo Brasileiro, e que usou uma toca.

A etapa inicial começou com dificuldades para o Cruzeiro se acertar. Tanto que foi o primeiro lance de perigo, aos 8 min, foi do Atlético-GO, quando Ernandes fez boa jogada individual e chutou forte. A bola foi para fora, mas com perigo para o goleiro Fábio. Dois minutos depois, o time celeste abriu o placar, com Diego Souza aproveitando-se de contusão de Márcio. Até o massagista do time visitante estava em campo. Como o árbitro Rodrigo Nunes de Sá deu sequência à jogada, o gol foi validado.

Mesmo com o gol cruzeirense, a partida seguiu equilibrada, já que o time goiano se arriscava também no ataque. Diego Souza, que mostrava estar mais ligado ao jogo, se destacava pelas tentativas de chutes de média e longa distância. Aos 24 min, Márcio, mesmo com o rosto inchado, fez boa defesa. No minuto seguinte, o chute do camisa 10 cruzeirense foi para fora. Aos poucos o Cruzeiro assumia o controle do jogo e fez mais dois gols no primeiro tempo, ambos de cabeça, por meio de Vinícius Araújo, aos 31 e Dedé, aos 43 min.

O goleiro Márcio revelou que chegou a ficar “desacordado” após o choque com Arhur, disse que ao se recuperar tentou se levantar pelo “instinto de goleiro” e criticou a decisão do árbitro Rodrigo Nunes de Sá de ter validado o gol de Diego Souza. “Infelizmente, as arbitragens entendem até de medicina”, ironizou o camisa 1 atleticano, que foi categórico: “Ele não tem capacidade para avaliar se eu estava ou não machucado”.

Já Diego Souza preferiu destacar a força do Cruzeiro no Mineirão, por buscar o resultado desde o início. “Temos que fazer ajustes jogando fora, porque em casa nos acostumamos a pressionar o adversário”, analisou o camisa 10 celeste. Para o zagueiro Bruno Rodrigo, o Cruzeiro não pode “amolecer”. “Tem que continuar o ritmo, apertar ainda mais a marcação, não dar espaços para eles”, salientou.

O Cruzeiro voltou com a mesma formação, mas o Atlético-GO teve duas alterações: os titulares Robston e Juninho, que foram poupados por René Simões, entraram nos lugares de Jorginho e Pipico. O time visitante tentou um gol logo no recomeço do jogo, pensando em melhorar sua situação para a partida da volta, mas o anfitrião não apenas soube administrar a vantagem construída, com grande facilidade, na etapa inicial, mas aumentá-la.

Na base do quem não faz leva, o Cruzeiro chegou aos 4 a 0, aos 13 min do segundo tempo, por meio de Everton Ribeiro. Nem o fato de ter jogador a maior parte da etapa final com um jogador a menos, por causa da expulsão do zagueiro Bruno Rodrigo, aos 17 min, por entrada forte em João Paulo, dificultou para o Cruzeiro, que fez o quinto, aos 31 min, com Egídio. Para perder sua vaga, o time celeste precisa ser derrotado por seis gols de diferença. Se o Atlético-GO conseguir devolver os 5 a 0, a decisão irá para os pênaltis. No final do jogo, Tinga e Robston se desentenderam em campo e continuaram discutindo na descida para o vestiário, mas sem consequências.

 

Personagens da Partida

Melhores

  • Diego Souza 
    Fez um gol polêmico, arriscou jogadas individuais e chutes de longe, mostrando evolução em relação ao jogo com a Portuguesa.
  • Egídio 
    Defendeu quando preciso, mas se destacou mesmo no trabalho ofensivo e ainda fez gol

Piores

  • Artur 
    Atabalhoado, o zagueiro do Atlético-GO se complicou em vários lances, especialmente nas bolas altas cruzadas sobre sua área.
  • Bruno Rodrigo 
    Zagueiro do Cruzeiro foi expulso, após entrada dura em João Paulo, deixando seu time com um jogador a menos

Resumo da Partida

Cruzeiro 5 x 0 Atlético-GO
Técnico: Marcelo Oliveira Técnico: René Simões
  1. Fábio
  32. Mayke
  33. Bruno Rodrigo Cartão vermelho
  26. Dedé Gol Cartão amarelo
  6. Egídio Gol
  19. Nilton
  78. Souza
Saiu 17. Everton Ribeiro Gol
Entrou 7. Tinga
Saiu 10. Diego Souza Gol
Entrou 3. Léo
  88. Luan
Saiu 30. Vinícius Araújo Gol
Entrou 31. Ricardo Goulart
 
  1. Márcio
  2. Diogo Campos
  3. Artur
  4. Diego Giaretta
  6. Ernandes
  5. Dodó
  7. Marino
Saiu 8. Jorginho
Entrou 16. Róbston
Saiu 10. João Paulo Cartão amarelo
Entrou 17. Caio
Saiu 11. Pipico
Entrou 18. Juninho
  9. Ricardo Jesus

Fonte: Uol